Planejamento Semanal

Eu como uma boa virginiana, sou muito organizada mentalmente, faço mil planejamentos, para tudo existe um método, blá-blá-blá. Com a chegada da maternidade, a saída do trabalho, a opção de ser autônoma, a falta de rotina ficou bem confusa para mim.  Eu estava realmente pirando.

Aí para eu ter o mínimo de organização, eu escrevia em um caderno tudooooo que eu precisava fazer, mas não tava satisfeita com isso. Então, eu decidi criar esse planejamento semanal.  Tentei baixar diversos modelos de planner na internet, mas nada se encaixava ao meu método de organizar. Tudo era separado por dia (se você prefere por dia, você vai encontrar muitos modelos pela internet) ou por mês. Tem até modelos para fazer cardápio semanal, que eu acho o máximo, mas não consegui tornar isso um padrão aqui em casa. 😦

Bom, voltando ao meu planejamento semanal, toda segunda-feira eu imprimo esse planner semanal e escrevo tudo que eu preciso, atividades profissionais, atividades pessoais, tarefas para fazer com o filho, compras para casa.  Por Exemplo: Ligar para o cliente X,  agendar dentista para o Nicolas, mercado, distribuir a ação Y (sou advogada).

Planejamento Semanal – Download

 

Confesso que sinto que estou produzindo algo quando faço esse planejamento. 🙂

Espero que ajude vocês.  🙂

 

Anúncios

BEPANTOL® BABY E INSTITUTO GUGA KUERTEN FIRMAM PARCERIA EM PROL DA EVOLUÇÃO DE MILHARES DE BEBÊS E CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA

A cada antiassadura vendido, R$1 será destinado ao financiamento de projetos de ONGs que atendem bebês e crianças de até 6 anos com alguma deficiência. 

O compromisso da marca é repassar no mínimo R$ 1,5 milhão em 2017, beneficiando mais de 1,5 mil bebês e crianças com o projeto

 

Cuidar e zelar pelo bem-estar dos pequenos é uma das missões de Bepantol® Baby, creme antiassaduras da Bayer, um dos líderes do segmento. Agora, a marca quer ir além e contribuir para a evolução de milhares de bebês e crianças, por meio de uma parceria inédita com o Instituto Guga Kuerten.

Bepantol

Fundado no ano 2000 pelo tenista e ídolo nacional Guga Kuerten e por sua mãe Alice Kuerten, o Instituto surgiu com o desafio de atender estudantes de escolas públicas e pessoas com deficiência por meio do esporte, além de apoiar ações educacionais que visam à inclusão social de crianças e adultos.

Com a parceria firmada com Bepantol® Baby, a partir de julho o Instituto ampliará seu trabalho voltado para ONGs focadas em bebês e crianças de 0 a 6 anos, também com alguma deficiência.

“Quando soubemos do sonho do Guga e da Alice em ampliar o atendimento do Instituto a bebês e crianças de até 6 anos, vimos a possibilidade de abraçarmos essa causa juntos. Dessa forma, queremos contribuir ainda mais para a evolução de crianças que precisam de um cuidado a mais. E acreditamos que podemos fazer a diferença com o apoio dos consumidores e do Instituto”, ressalta André Mendes, gerente de marketing de Bepantol® Baby.

“Estou muito feliz com a parceria com Bepantol® Baby, principalmente por saber que, juntos, vamos ajudar mais crianças e conseguir atender bebês também. Nossa expectativa é aumentar o número de beneficiados com o projeto de maneira significativa”, afirma Alice Kuerten, presidente do Instituto.

Para viabilizar a parceria, a marca lança, a partir de julho, uma ação promocional em que o consumidor ajudará a fazer a diferença na vida de muitas crianças.

Na compra de um antiassadura Bepantol® Baby de qualquer gramatura, R$1 será destinado ao Instituto Guga Kuerten que, por meio do Fundo de Apoio a Projetos Sociais (FAPS), permite que instituições que atendem pessoas com deficiência se inscrevam para receber suporte técnico e financeiro.

“Com essa ação promocional, nosso objetivo é incentivar a participação do consumidor, de forma que mães, pais e cuidadores que utilizam Bepantol® Baby para os cuidados com os seus pequenos sintam-se parte da evolução de outros milhares de crianças que também necessitam de cuidados”, ressalta Mendes.

Benefícios

Guga

O montante repassado por Bepantol® Baby ao Instituto Guga Kuerten será destinado para organizações da região de Santa Catarina que desenvolvem ações voltadas para pessoas com deficiência e que necessitam de recursos para a melhoria de espaços e de ações de aprendizagem para crianças de 0 a 6 anos.

De acordo com Alice Kuerten, a meta é atender mais de 150 organizações com esse foco durante a parceria, contribuindo com reformas de salas, aquisição de equipamentos, novas oficinas, além da realização de melhorias nas estruturas de creches nos bairros onde o Instituto Guga Kuerten tem atuação, beneficiando diretamente esse público.

“Nos 16 anos de Instituto, as ações e projetos já beneficiaram mais de 74 mil pessoas. Agora, com a ajuda de Bepantol® Baby e a ampliação do atendimento, nossa meta nos próximos meses é incluir cerca de 1,5 mil bebês e crianças entre os beneficiados”, afirma Alice Kuerten.

Campanha publicitária

 

Para divulgar a ação promocional, a J. Walter Thompson assina o filme principal da campanha com estreia prevista para 22 de julho, e a W3haus, as peças do ambiente digital.

“Trabalhar com uma causa social sempre traz uma responsabilidade a mais para a criação. Temos que ter um cuidado especial para conseguir apresentar esse envolvimento da mesma forma que ele foi concebido: com sensibilidade e sinceridade. Essas qualidades são as que acreditamos que trará o consumidor em prol da causa da marca. Temos muito orgulho do trabalho que foi desenvolvido e confiamos na boa repercussão que a campanha terá”, ressalta Gustavo Lacerda, diretor de criação da J. Walter Thompson.

Sobre a Linha Bepantol® Baby

Sempre pensando no bem-estar da mãe, do pai e, claro, dos bebês, a Bayer oferece Bepantol® Baby, creme antiassaduras com tripla proteção: protege, hidrata e ajuda na recuperação da pele dos pequenos. Contém Pró-vitamina B5, que cria uma barreira transparente, protegendo o bumbum do bebê e deixando-o mais resistente contra as assaduras. Além disso, o antiassaduras da Bayer é fácil de espalhar e de limpar, evitando assim fricções desnecessárias. Sua fórmula hipoalergênica não contém agentes potencialmente irritantes, como fragrâncias, corantes e conservantes, que podem irritar a pele sensível do bebê. Bepantol® Baby é a evolução dos antiassaduras.

Preço médio sugerido de Bepantol® Baby: 30 gramas – R$ 19,90; 60 gramas – R$ 34,90;/ 100 – R$ 49,90

 

#jafuijulgada

Movimento tem como objetivo coletar histórias e fomentar a discussão sobre como as decisões maternas são avaliadas pelos outros

Você já conhece o movimento #Jáfuijulgada, idealizado por um grupo de mães publicitárias, jornalistas e relações públicas? O objetivo da ação é apresentar histórias vivenciadas pelas mães e fomentar a reflexão sobre julgamentos e cobranças direcionadas às mulheres no exercício da maternidade, estimulando a compreensão e a empatia do público.

A motivação para a criação do movimento veio da recorrência de experiências pessoais e de mães próximas, além do acompanhamento de diversas publicações de influenciadoras. Outro fator foi o recente levantamento feito pelo Instituto Qualibest e pelo site Mulheres Incríveis, no qual mais de 70% das respondentes disseram se sentir julgadas ou cobradas no exercício da maternidade.

No movimento , as mães são convidadas a participar postando suas histórias com a #jafuijulgada em qualquer rede social. O projeto também conta perfis oficiais no Facebook e no Instagram, nos quais serão disponibilizados diversos conteúdos para reflexão e compartilhamento.

MANIFESTO #JAFUIJULGADA

Um movimento que pede empatia entre as mães. Todas as mães, independente de suas crenças e valores.
Escolhas pessoais sempre dividem opinião e quando isso se refere à criação dos filhos, as convicções e questionamentos se intensificam tanto, que passar para julgamentos é quase automático. É um exercício difícil não olhar para os outros com a nossa régua, com as nossas regras. Mas é isso que as mães precisam. Sororidade na vida materna, neste novo momento da vida, que é tão fascinante e ao mesmo tempo complexo e trabalhoso.
Queremos coletar tantas histórias de julgamento quanto for possível, mostrando que essa realidade é cruel e avassaladora. Ousamos dizer que TODAS as mães já foram julgadas e que, nem que seja só em pensamento, já julgaram também.
Por isso, não temos a pretensão de acabar com isso neste movimento, mas de mudar pelo menos um pouco esse cenário. Se a gente conseguir levar essa reflexão para algumas mães e salvar um ou outro julgamento antes dele se concretizar, nossa missão estará completa. Contamos com você para espalhar essa proposta. Vamos nessa, sem julgamento?

Trabalho x Maternidade

Na semana passada desliguei-me do trabalho, e por isso achei legal abordar esse tema “Trabalho x Maternidade”.

Trabalhei nesta empresa por 08 anos, e durante os últimos 04 anos eu lutava para engravidar. Quando me planejei para engravidar não tinha planos de sair do meu trabalho, mas permanecer no mesmo emprego por 08 anos também não era o que eu tinha planejado.

Em 2016, antes de sair de férias, conversei com minha chefe, e fui muito franca dizendo-lhe que tinha planos de me desligar da empresa, eu precisavimg_8439a de qualidade de vida. Lógico que o que eu queria mesmo era ser mãe e depois pensar na minha carreira, mas eu já estava há 04 anos tentando ser mãe, eu tinha que parar de pensar no “se eu engravidar” ou no “quando eu tiver meu bebê”.  Não podia mais deixar meu futuro nas mãos de um bebê que ainda nem havia chegado. Bom, então, a decisão havia sido tomada, decidi que 2017 eu iria me desligar da empresa.

Durante as minhas férias, descobri que estava grávida (veja aqui meu positivo do babyjamaica), e então, na volta das férias já avisei que estava grávida, afinal era uma gestação de risco. Com 13 semanas fiz a cerclagem e permaneci de repouso até o final da gestação.  O repouso só me fez ter certeza que eu não voltaria ao trabalho após o parto.

Nunca tive dúvida que precisava sair do meu trabalho, porque queria ter tempo com meu filho, e na rotina de trabalho que tinha eu teria que abri mão de muitos momentos ao lado do meu filho. Lógico que não quero parar de trabalhar, mas quero trabalhar em outro ritmo, quem sabe meio período ou homeoffice.

Como sou advogada, tentarei trabalhar como autônoma por um tempo, e verei o que acontecerá. Conversei com algumas amigas de faculdade que fizeram isso e não se arrependeram. Confesso que tenho medo de ser dependente financeiramente do marido, não pelo meu marido, por mim. Eu tenho uma dificuldade gigante de sair do controle e depender de algo ou alguém, mas a maternidade fará eu aprender isso, porque por aqui a prioridade sempre vai ser meu filho.

Não me imagino deixando de levar meu filho ao médico ou a escola por conta de um trabalho. Não me imagino sofrendo no trabalho porque meu filho está doente em casa. Não me imagino perdendo os primeiros passos ou primeiras palavras do meu filho. Talvez aconteça de eu perder algum momento, mas não vou perder todos as “primeiras vezes” dele.

Essa é uma decisão minha, uma decisão difícil para uma profissional super conservadora, mas agora é hora de mudar, agora é hora de arriscar. E se não der certo, pelo menos eu curti ao máximo o meu filho.

Beijos e até mais

Tati – Gravidezumsonho

Amamentação e Roupas

As mamães já sabem e as de primeira viagem ainda vão descobrir o quanto é difícil encontrar roupas para amamentação. Não tendo muita escolha, nós acabamos dando um jeitinho com as nossas mesmo, levantando a blusa para amamentar. E nessa hora vem o constrangimento de mostrar a barriguinha que ainda está voltando ao normal. Uma opção é recorrer as camisas, mas muitas vezes o botão insiste em abrir… Com as Regatas de Amamentação da Cabidinho Store esses problemas estão resolvidos!

As Regatas de Amamentação podem ser usadas por baixo de blusas, como uma segunda pele resolvendo o problema da barriguinha. Mas sua praticidade não para por aí: por não precisar usar sutiã de amamentação com ela, é uma ótima opção para dormir. Uma peça tão linda como essa não pode ficar só escondida debaixo de blusas ou em casa: ela é para sair também! A Regata Amamentação e um jeans já são suficientes para montar um look moderno, lindo e confortável! Quer incrementar o visual? Coloque um blazer, um colete ou uma jaqueta por cima e dê um show de estilo com o baby!

Esse é o link aonde você vai encontrar os modelos das Regatas de Amamentação que estão disponíveis na Cabidinho. Lá também tem a tabela de tamanhos e como fazer para medir e não errar no tamanho. É só clicar: https://www.cabidinho.com.br/regatas-amamentacao/

A Cabidinho Store é uma loja on line que está sempre em busca de produtos diferentes e que realmente ajudam de alguma maneira as famílias e seus bebês. Além de moda bebê e moda infantil, eles também trazem acessórios que são super úteis para o dia a dia.

Aproveite e use o código promocional “Gravidezumsonho” e obtenha 10% de desconto em qualquer produto.

Beijos

Tati – Gravidezumsonho

 

Sono do Bebê: Dicas e detalhes sobre consultoria do sono infantil

Olá Meninas e Meninos!!

Estou aqui para falar um pouco de mais uma atividade que eu exerço que é a de Consultora do Sono Infantil, vou falar um pouco sobre a profissão e de como eu trabalho e também dar algumas DICAS sobre o sono do bebê.

A especialista em sono infantil, educa e dá apoio aos pais para que eles consigam ensinar o bebê a dormir – não há criança que não quer ou não gosta de dormir, ela simplesmente não sabe como fazer isso.

E como nós trabalhamos? A primeira etapa é uma consulta, que pode ser presencial (caso a pessoa seja de São Paulo) ou online. Esse encontro serve para entender a rotina do bebê, como ele nasceu, se ele já passou pela introdução alimentar, qual a atitude tomada pelos pais quando ele acorda, como ele dorme, quem ajuda em casa… enfim, o intuito é compreender toda a dinâmica familiar. Esse processo leva em torno de 1h30. E por que tudo isso? Porque precisamos entender se há algo além da criança não saber dormir.

Além disso, também explicamos a questão fisiológica (como os hormônios que são liberados enquanto o neném dorme), as fases do sono e a questão das sonecas. Depois dessa consulta inicial, há o chamado período de suporte. Encaminho uma rotina que os pais devem tentar seguir ao máximo – claro, dentro da realidade familiar de cada um. O ideal é que uma criança pequena durma por volta das 19hrs/20hrs, mas há aquelas que vão para cama meia noite. Por isso a importância de um plano de ação único e individual. Junto a esse arquivo com a rotina, alinho minha experiência na psicologia para enviar sugestões de atividades que estimulem determinada capacidade e tendo entender a estrutura psicológica da mãe e do pai dessa criança – aspectos extremamente importantes.

Com relação às mudanças propriamente ditas, normalmente nós mexemos na rotina diurna primeiro, especialmente no que diz respeito às sonecas.  Qualquer dúvida/dificuldade que vá surgindo no meio da caminho, eu fico à disposição pelo WhatsApp para dar o suporte necessário.

O diferencial desse trabalho é a valorização da individualidade (entendemos que cada bebê é único e leva uma vida diferente da de outros bebês) e o fato de não deixá-lo sozinho: a criança vai chorar, afinal, está sentindo desconforto, mas não o fará sozinho, desacompanhado. A mãe ou o pai estará ao seu lado para acolhê-lo.

O grande objetivo da consultoria de sono é oferecer qualidade de vida aos pais e ao bebê – nós sabemos o quanto a privação de sono é prejudicial para todos. Quanto menos esses pais dormem, menos têm vontade de interagir com a criança, pois estão cansados e frustrados.

Dicas:

1. Esgote a energia da criança: com brincadeiras, atividades;

2. Ritual noturno: banho e berço ou cama;

3. Fazer massagem: caso a criança goste;

4. Poder da água: banho para relaxar, o papai pode entrar nessa rotina;

5. Cuidar da higiene: bucal, banho, pijama ou roupa de dormir;

6. Dar boa noite à todos;

7. Cantar: canções de ninar;

8. Objeto de apego: uma naninha, ou brinquedinho;

9. Cuidar da alimentação durante o dia: criança bem alimentada durante o dia faz com que os despertares noturnos diminuam;

10. Verificar o conforto do bebê;

11. E finalmente uma boa rotina para o dia e para noite.

Espero poder te ajudado de alguma forma, caso vocês tenham alguma dúvida deixem aqui nos comentários.

Até a próxima.

Bjs

Amanda Pascoal

Psicóloga – CRP: 06/93868

Consultora de Amamentação

Consultora do Sono Infantil

Tel: (11) 3462-3227

Mãe é mãe 

“Mãe é mãe” uma frase tão clichê, mas tão real. A verdade é que nos últimos anos o papel do pai mudou, antes o pai era apenas o provedor, depois começou a se tornar ajudante de mãe, e agora os pais são ativos nos cuidados com os filhos. 

Essa mudança de postura do paí trouxe a impressão que pai e mãe tem o mesmo papel na educação e cuidados dos filhos, mas a mãe ainda tem uma importância bem grande na educação e cuidados dos filhos. Noto que os filhos tem uma pequena preferência pelo colo da mãe, talvez seja pelo formato do nosso corpo, onde o seio possa servir de travesseiro, talvez seja pela amamentação, talvez seja pela gestação, mas mesmo os filhos gerados em outro ventre tem um elo mágico com suas mães efetivas.


Então, deve ser o instinto materno presente no sexo feminino, porque é impressionante como as mães tem poder de acalmar seus filhos. Os filhos podem dizer que preferem os pais, mas a qualquer machucado ou ferida a mamãe é a demandada pela criança.

Enfim, mãe é mãe….algo inexplicável, mas muito intenso

Amamentação: dificuldades

Sempre ouvi falar que a amamentação era maravilhosa, que era uma realização da mulher, mas pouco se fala sobre as dificuldades da amamentação.

Sempre imaginei que a amamentação era algo mega natural, pensava que bastava colocar o peito na boca da criança e “plim” a mágica acontecia, porém não é bem assim. Palavras como prega, pega, sucção, na minha cabeça, não estava associada a amamentação.

Tive que aprender a fazer a prega (que existe variações), tive que aprender a colocar o meu filho em posição de amamentar (sim, no começo era muito difícil).  E da mesma forma que tudo era novo para mim, tudo também era novo para o meu filho! Nasceu uma mãe, nasceu um filho, nasceu uma conexão, nasceu um amor completamente diferente, mas tudo isso sem qualquer manual de instruções. Fomos aprendendo a cada dia, a cada mamada, tivemos momentos de tensão, tivemos momentos de choro, tivemos momentos de dor e por fim, chega-se a magia.

Confesso que nunca sonhei em amamentar, mas quando meu filho nasceu eu tive vontade de amamentar, tive vontade de passar por essa experiência, e sim me esforcei para amamentar. Tanto quis amamentar que busquei profissionais para me dar assessoria.
Os primeiros dias foi um stress, o tal do colostro irritava meu filho, era muito esforço para pouco leite. No Hospital, meu peito se tornou de utilidade pública, eu vivia pedindo ajuda para enfermagem, que chegavam e apertavam o bico do meu seio (kkkk), e de verdade eu não me importava com isso. Confesso, as enfermeiras chegavam, faziam a prega e a amamentação acontecia, elas iam embora e começava a briga com a tal da prega.

Enfim, fomos para casa, o leite finalmente desceu, o aprendizado continuava, cada dia ficava mais fácil e menos doloroso….mas a “mágica” deve ter demorado mais de 20 dias para acontecer. Essa é lado B da amamentação, pouco dito ou pouco escrito.

Relato do Parto do Nicolas

Desculpem a demora por novos textos, mas o Baby Nick consume bastante dos meus dias. Devagarzinho vou retomando com o blog. E para retomar, nada mais justo que começar do Parto, né?

Bom, desde o começo da gestação, eu tinha combinado com o baby Nick que ele só viria depois do Papai Noel, portanto poderia vir a partir de 38 semanas, no dia 26/12/2016. Apesar da gestação de risco por conta da Insuficiência Istmo Cervical, Cerclagem e repouso, baby Nick cumpriu o combinado chegou com 38 semanas!!!

Devido ao histórico de perdas e de alteração de alguns exames, optamos por não esperar o parto normal (não tenho boas lembranças de parto normal por causa do anjo Lucca) e realizar a Cesárea com 38 semanas. Então, agendamos para o dia 26/12/2016.

No dia agendado (26/12), chegamos no Hospital, fizemos a internação, o papai foi deixar as malas no quarto e mamãe foi orientada a se preparar para o Centro Cirurgico nas salas de pré-cirurgicas!! Eu estava bem calma, a Cesárea estava agendada para as 7hrs, e para variar atrasou, fiquei praticamente 30 minutos sozinha na pré-sala aguardando!!! Tudo começou a se movimentar quando a médica foi atrás de mim. Enfim, coisas de hospital mesmo. Nem isso me deixou nervosa ou ansiosa.

Enfim, cheguei ao Centro Cirurgico, tomei a anestesia, e em seguida o papai chegou. Como combinado com a nossa médica colocamos a nossa playlist e começaram o procedimento! Quando aproximou-se a hora do nascimento do Nicolas, minha médica pediu para reduzir a luz da sala.

Nicolas nasceu às 7h59m ao som da música “Nicolas” da Aline Barros, chegou fazendo xixi na minha médica, e nesse momento ouvi o tão esperado choro…que emoção….ali eu percebi que o sonho se tornava real!!! Chorei, chorei, porque só naquele momento eu realmente acreditei que o sonho tinha se tornado realidade. Quanto tempo esperei para ouvir esse chorinho, quanto tempo eu chorei sofrendo por abortos, quantos exames, quantas picadas na barriga, e agora aquele era o choro que mais desejei ouvir. Chorei, mas chorei de emoção, chorei porque aquele era o momento único, chorei porque aquele era o MEU FILHO. Ah como desejei falar MEU FILHO, e agora adoro falar e escreve MEU FILHO…rsrsrs

Ops, voltando ao relato do Parto, após o chorinho do Nicolas, a médica me mostrou o Nicolas, que em seguida foi limpo e pesado (chegou com 3,190kg). Nicolas foi colocado ao meu lado e ao lado do papai, e permaneceu alguns minutos!!!
dsc04838

Meu marido ficou com Nicolas no Sling que recebeu do Hospital, depois Nicolas ficou deitado próximo ao meu seio, encaixado em entre meu seio e um top que também  recebi do Hospital!  A finalização da Cesárea demorou quase 2hrs, e o Nicolas permaneceu conosco durante todo o tempo…

Antes de ir para o banho com o papai, tentamos colocar ele para mamar, mas apesar da tentativa, não conseguimos! Depois vou escrever sobre a minha experiência com a amamentação.

Apesar de ser Cesárea, foi lindo, a médica foi mega humana!

Grande Beijo Tati

Mãe de Anjo por Amanda Pascoal

Olá pessoal!!

 É muito bom estar com vocês novamente!!! Fico imensamente grata a Tati pela oportunidade de escrever no seu espaço. Antes de começar a falar sobre o assunto em si, preciso dividir algo com todos. Já faz muito tempo que a Tati vem pedindo esse assunto para eu tratar no blog e eu me esquivo igual pugilista….rs. Gente nunca pensei que fosse tão difícil escrever sobre um assunto na minha vida!!! E eu digo quando trato no consultório também…

baby_child_wings_angel_25665_3840x2400

 Mãe de Anjo não é um conteúdo que me sinto a vontade em falar, a titulo de curiosidade, a primeira vez que uma paciente chegou com essa questão, eu quase chorei com ela, tive que controlar as lágrimas, afinal de contas ela que tinha que ser acolhida não eu!!! Mas vamos lá…

 Minha intenção é falar sobre como lidar com todos esses sentimentos que  transbordam neste período.

 A primeira coisa a se fazer é viver esse luto, sentir os sentimentos que acompanham a perda, se precisar ficar triste, fique triste, se precisar chorar, chore, se precisar falar, fale, se precisar ficar quieta, fique quieta, é o seu momento de sofrimento, é normal se sentir assim. O luto não tem um prazo definido para terminar, porém se ele perdura por mais de um ano e você vive a dor com a mesma intensidade e se sente da mesma forma lá do começo, o ideal é procurar ajuda médica e psicológica. A dor e o sofrimento tem que diminuir gradativamente. O que acontece neste cenário de mundo atual é que as pessoas tem uma baixa tolerância a sofrimento alheio, isso quer dizer que elas não conseguem lidar com o sofrimento dos outros e ficam forçando a pessoa a sair do luto. Cada pessoa tem seu tempo e se estiver difícil sozinha procure ajuda, você não precisa sofrer sozinha!!!

 Não tente controlar tudo!! Viva a sua gestação. Para as que estão gravidinhas novamente é tentar deixar de lado o pensamento com o conteúdo da possibilidade do novo bebê vir a falecer, eu imagino como deva ser dificílimo e esta sombra deve aterrorizar qualquer Mãe de anjo, porém fica impossível controlar 100% que nada irá acontecer, o que se pode fazer é amenizar, que nem a Tati, ela descobriu o que tinha tomou as devidas precauções para que o que tivesse em suas mãos fosse amenizado, isso é prevenção e isso tem que ser feito, para sua segurança e a do bebê.

  O novo bebê não pode vir com a missão de substituir o Anjinho, esse novo bebê é outro ser humano, com outra personalidade, com outras características e isso tem que ficar bem compreendido para não gerar confusão em vocês e no bebê.

 Acredito que essas dicas dão uma organizada nas ideias que devem estar bem desorganizada. Espero ter ajudado, deixem seus comentários e sugestões.

Beijinhos

Amanda G. Pascoal

Psicóloga – CRP: 06/93868

Consultora em Aleitamento Materno

Especialista em Sono Infantil

(11) 3462-3227