Aborto: Curetagem x AMIU

Uma das diversas coisas que aprendi ao longo dessa dura jornada foi sobre os procedimentos pós aborto, o chamado aborto retido. Atualmente, existe duas formas de realizar a limpeza uterina para o aborto retido: curetagem e AMIU, e hoje explicarei a diferença entre esses procedimentos.

CURETAGEM 

A Curetagem é um procedimento cirúrgico realizado em hospital para remoção de restos fetais, e um dos principais instrumentos utilizado pelo médico é a cureta, utilizada para uma raspagem do útero pelo médico. Antes de iniciar o procedimento, é necessário que seja realizado a dilatação do colo do útero para que o médico tenha acesso ao útero.

Trata-se de um procedimento simples e rápido, onde a paciente é submetida a uma anestesia (que pode ser geral, rack ou peridural). Após o procedimento a paciente pode ter um sangramento leve, que se assemelha a uma menstruação.Os médicos costumam solicitar um repouso nas primeiras 24/48 horas, e suspensão de relação sexual por um período, a fim de que o útero esteja recuperado.

AMIU – Aspiração Manual Intrauterina 

A AMIU é um procedimento bem parecido com a curetagem, também é um procedimento realizado em hospital para a limpeza do úter após aborto retido, diferenciando-se apenas pelo instrumento, que ao invés da cureta é utilizado um aspirador a vácuo, que remove todo o conteúdo no uterino pela aspiração manual. Também é um procedimento simples e rápido, e a paciente é submetida a uma anestesia e pode ter um sangramento no pós operatório.

A grande diferença entre a AMIU e a CURETAGEM é que a AMIU tem menos risco de sinequias (cicatrizes/machucado) no útero, tendo em vista que aspira ao invés de raspar, por exemplo se a raspagem for excessiva pode causar algum dano ao útero, o que não é comum, mas pode acontecer.

A recuperação do pós cirurgico é igual a curetagem, ou seja, repouso nas primeiras 24/48 horas e abstinencia sexual por alguns dias (a critério do médico).

sad-young-woman-700x563-1

Fonte: http://madailygist.com/wp-content/uploads/2016/07/sad-young-woman-700×563-1.jpg

GRAVIDEZ PÓS AMIU ou CURETAGEM

Os médicos normalmente recomendam no mínimo um ciclo menstrual regular para que se retornar as tentantivas de engravidar, sendo que o médico avaliará as condições do útero e da própria paciente.

Lembro que os dois procedimentos são seguros, mas se puderem optar pela AMIU será melhor.

Espero ter esclarecido a diferença entre os dois procedimentos.

Tati

@Gravidezumsonho

Chá de Revelação: Repouso x Organização

Bom, como já expliquei para vocês o que é chá de revelação e como organizar, decidi escrever como foi organizar o chá de revelação do Nicolas (meu baby) durante o repouso. Bom, como estou de repouso e ainda assim eu decidi fazer o chá de revelação, optei para fazer um evento bem restrito, limitando-se aos meus pais, sogros, irmã e cunhados. Também quis fazer porque eu tinha feito o chá de revelação na gravidez do Lucca (meu anjinho) e acho que todos os filhos têm que ter o mesmo tratamento.

Mesmo sendo uma festa simples eu quis fazer algo bonitinho e que pudesse tirar fotos legais para guardar de recordação.  Então, vamos lá explicar como foi a organização com o repouso.

Decoração.

Sempre antes de qualquer festinha que eu realize eu espio no google ou Pinterest algumas ideias, aí com essas ideias eu já penso como farei a decoração. Tenho em casa um caixa de festa, onde guardo tudo que sobrou das festas anteriores, então, avaliei o que eu tinha, separei o que eu iria utilizar (marido que pegou a caixa para mim). Depois disso, peguei esses moldes de Modelo Bigodinho, Modelo Laço e Modelo Bandeirinha (clique para baixar) na internet e imprimi em folhas coloridas (optei pela aquela folha mais grossa, tipo cartolina), lembrando que foi meu marido que também comprou tudo de papelaria

Então, eu comecei meus recortes, confesso que não sou muito coordenada, mas como eu tinha tempo por causa do repouso, optei por fazer atividades manuais, e simplesmente AMEI. Depois de cortar tudo, eu colei (com cola bastão) os bigodinhos e lacinhos em palitos, e deixei separado para usar na decoração da mesa e doces, e as bandeirinhas eu pendurei em barbante.  Olha como ficou.

Fiz recortes de menininho e menininha, optei por colar na parede, mas pode servir para colocar em qualquer lugar do seu evento. Eu amei fazer esses recortes.

Doces e Bolo

O bolo eu encomendei com Gabiserras, e os docinhos (brigadeiro, bicho de pé e mousse de maracujá) fiz em casa e coloquei em potinhos. Como estou de repouso, fiz os doces simples e prático, o brigadeiro e bicho de pé fiz no microondas, assim não precisei ficar em pé ao lado do fogão. E o mousse de maracujá é uma lata de leite condensado, uma lata de creme de leite e a mesma medida para suco concentrado de maracujá, fácil e gosto.

Os potinhos eu decorei com os recortes de bigodinho e lacinho, como você pode observar nas fotos acima.

Para que a mesa não ficasse vazia, o marido comprou marshmallow rosa e azul que colocamos em um pote de acrílico, e confete de chocolate que colocamos em potinhos.  Veja como ficou:

Comidas e Bebidas

Para facilitar eu fiz o chá às 17hrs, assim pude encomendar lanche de metro na padaria aqui do lado (também é possível você mesmo fazer o lanche), marido comprou as bebidas e amendoins.  Como era só os mais próximos oferecemos apenas isso, e acho que foi o suficiente.

DSC04571.JPG

No dia da festa, eu sentei ao redor da mesa e fui organizando, e o marido foi pendurando tudo. As bexigas também ficaram sob responsabilidade do marido. Portanto, só é possível fazer um evento no repouso se tiver ajuda do marido, de alguém da família ou amigos, caso contrário será impossível.

Se tiver esse apoio, eu super recomendo, mas lembre-se que durante a festa não se esforce muito, evite ficar muito tempo em pé e/ou rodando para conversar com os convidados.

DSC04600DSC04540.JPG

 

Relatos de Sucesso: Tatiane

Picture 1333

Hoje o relato de sucesso é da Tati do @iupisoumamae (minha xará), que após muita luta é mãe da linda Bia. Tenho uma gratidão gigante por ter contribuído um pouquinho pelo sucesso da gestação da Tati, pelo menos a dor da perda do Lucca serviu de alerta para outras gestantes. Leiam e se emocionem.

Eu sempre me imaginei tendo filhos, imaginava até mãe solteira, porém Deus levou as coisas pra outro lado.

Nosso primeiro diagnóstico como casal foi quando ainda estávamos namorando. Namoramos 8 anos e meio e com uns 4 anos de namoro sem nunca ter evitado (nem anticoncepcional nem camisinha, olha que falta de juízo rsrs) percebemos que nada acontecia e resolvemos procurar um médico.  Na verdade, eu procurei um ginecologista porque para a mulher é mais fácil aceitar essas coisas, fiz aqueles exames básicos e estava tudo OK. Em seguida foi a vez dele de procurar um urologista e para nossa surpresa nos deparamos com um espermograma zerado, literalmente zerado. Nunca havíamos conversado sobre filhos, mas naquela hora a única solução que tínhamos era procurar um especialista em reprodução humana. Eu sugeri a ele que iríamos procurar só depois do casamento como uma forma de passar segurança pra ele que no momento só sabia me perguntar se eu iria terminar o namoro. Entendo que filho é consequência de amor. Eu não me imaginava ter um filho com alguém se não amasse. E no momento até hoje meu amor é dele.

Continuamos namorando, viajamos todos os anos, passeamos bastante e só depois casamos e com 7 meses de casados procuramos ajuda. Foi aí que conheci a fertilização in vitro (FIV) e seus golpes, que foram muitos. Tivemos 4 negativos, um gasto financeiro em torno de 60 mil. Foram 3 FIV completas com indução e 2 transferências de congelados.

Descobri a hidrossalpinge e tive que fazer uma cirurgia para tirar a trompa direita. E depois de 3 anos e meio nosso momento chegou. Positivo dia 23/02/2015. O tratamento fortaleceu muito nossa relação, hoje digo que além de casados somos cúmplices de uma história, companheiros. No meu caso eu não tinha o tempo a meu favor, se esperasse mais, cada dia o tratamento poderia ser mais caro e a qualidade tanto dos meus óvulos quanto dos espermatozóides dele poderia não favorecer.

Outra coisa importante que aprendi, podemos até decidir quando iniciar as tentativas e mesmo assim a gestação só vai acontecer quando Deus quiser ( quer coisa mais perfeita que a fertilização que coloca dentro do útero um embrião pronto e ainda sim às vezes não dá certo!). Eu costumava brincar que queria casar com 24 e engravidar com 26, pois eu casei com 26 e engravidei com 30 rsrs.

Para o pacote ficar completo eu descobri que meu colo estava dilatando com 21 semanas de gestação. Diagnóstico insuficiência istmo cervical. Lembro que fiquei de olho no colo em todo ultrassom e isso aconteceu graças a @gravidezumsonho que orientou suas seguidoras direitinho ( louvo a Deus por sua vida). Após um exame de toque minha obstetra disse que estava sentindo a cabeça da Beatriz. Me submeti a uma cerclagem de emergência, onde tivemos que assumir o risco, caso a bolsa estourasse no procedimento. Fiquei de repouso 16 semanas. Repouso absoluto, só levantava da cama para banheiro e médico. Até as refeições eu fazia de lado, deitada. O medo passou a ser minha companhia e não tinha um dia que eu não orava e chorava.

Mais Deus como sempre maravilhoso me carregou nos braços e hj meu milagre está aqui comigo. BEATRIZ

Ah para esclarecer sobre o espermograma zerado do marido, na fertilização no dia da minha punção dos óvulos ele também passa pela punção nos testículos, tadinho sofre também.

Bom essa é minha história e sei que muitas histórias maravilhosas como essa ainda estão por vir.

Bjo futuras mamães
Tati

@iupisoumamae

Adoção e Gravidez

Adoção não impede a gravidez, assim como a gravidez não impede a adoção. Isso sempre esteve muito presente em meus pensamentos. Óbvio, que algumas mulheres decidem não engravidar e constituem família pela adoção, e outras mulheres nunca tiveram como opção a adoção. No meu caso, eu sempre quis adotar, meus planos era ter dois filhos biológicos e quando eles fossem adolescentes, eu faria adoção tardia (de criança acima de 05 anos), mas a vida segue os seus próprios planos.

E quando eu e o marido decidimos ter filhosadoption-maternity-photos-3 pensávamos que seria mais fácil, mas engravidava e não mantinha a gravidez, e isso foi por alguns anos, até que engravidei do meu anjo Lucca, e alguns dias antes de ter problemas na gestação eu falei para o marido “Vamos adotar?”, e ele respondeu “agora não é hora para isso”. Alguns dias depois, eu descobri a Insuficiência Istmo Cervical, e fiquei internada, mas acabei por perder o Lucca.

Bom, após a perda do Lucca, eu voltei as tentativas e tive mais um aborto, foi aí que decidi entrar com o processo de adoção. Então, seguimos em frente, mas já sabíamos que adoção não nos impediria de tentar, e em maio de 2016 tivemos dois positivos: o da adoção e o do ventre.

Como eu e o marido queremos muitos filhos, nós optamos nos mantermos na fila de adoção. Lógico que algumas coisas mudaram, por exemplo, a ideia era realizar a busca ativa logo após a sentença de habilitação, e com a gravidez optamos por aguardar a ligação do fórum. Para quem não sabe, busca ativa é o envio da sentença de habilitação para outros fóruns/outras cidades para verificar se tem alguma criança para adoção com o mesmo perfil escolhido pelo adotante.  Para quem não faz a busca ativa,  basta aguardar a ligação do Fórum para que conheça a criança do seu perfil.

E espero que o baby da adoção chegue após o Nicolas, assim o repouso da gestação de risco não será prejudicado, mas como não escolho, tudo está nas mãos de Deus, e sabemos que ele sempre fará o melhor.

É importante refletir que a adoção tem que ser um desejo do coração, e não um ato inconsciente de entrando com a adoção eu engravidarei, afinal não existe fórmula mágica, e mais que isso adoção é um ato de amor e de responsabilidade, lembre-se que trata-se da vida de uma criança. Então, antes de ingressar com a adoção reflita bastante a respeito do assunto, faça alguns questionamentos como “se engravidar continuarei com a adoção?”, “se eu adotar e depois engravidar?”, entre outros.

E apenas como alerta, aviso que tenho amigas que não foram aprovadas nas entrevistas da adoção, exatamente por não estar com o coração aberto para a maternidade independente da forma.  Abra a coração e se permita ser feliz com a adoção.

Beijos

Tati

Gravidezumsonho

Relatos de Sucesso: Juliana Mendes

Picture 1333

E hoje vou compartilhar o depoimento da Ju, uma amiga que amo e que fiquei super honrada em estar grávida na mesma época que ela.

Uma menina com um brilho gigante, cheio de otimismo e que após 7 anos de luta carrega duas princesas em seu ventre.

 

Hoje com quase 16 semanas de gestação, tudo ainda parece um sonho, quando olho para trás e vejo tudo que passei, a única coisa q me vem a cabeça é: eu sabia que valeria a pena.

Quando eu tinha 22 anos tive uma alergia ao anticoncepcional e a minha médica pediu que eu suspendesse por 6 meses, passado esse tempo eu e meu marido que na época ainda era meu namorado decidimos que eu não voltaria a tomar o Anticoncepcional  e cuidaríamos para não engravidar, mas lógico com o tempo vamos relaxando. Após 4 anos nos demos conta que algo estava errado e procurarmos um especialista, foi aí que começou a minha saga de tentante.

Fizemos alguns exames e aparentemente tudo ok, tanto comigo como com o marido, então a médica nos deu a opção de fazer o coito programado, nossa eu tinha a maior certeza que daria tudo certo já na primeira tentativa (rsrs sabe de nada inocente rsrs), fizemos 5 ciclos com o Coito Programado em todos tive de 2 a 4 óvulos, mas mesmo assim não deu certo, todos os ciclos negativos.

Resolvemos então dar um tempo, viajamos e voltaríamos a pensar nos próximos passos depois de uns 3 meses, quanto estava me preparando para fazer uma histerossalpingografia para voltar ao tratamento, descobri a minha tão sonhada gravidez e, o melhor, de forma natural.  Mas o sonho não durou muito tempo, fomos do céu ao inferno em poucas semanas, com 8 semanas de gestação meu bebê não tinha mais batimentos, nunca imaginei sentir uma dor tão grande, não foi fácil, mas precisava seguir em frente.

Após 6 meses como não consegui engravidar naturalmente de novo, resolvemos partir para um tratamento mais invasivo, fizemos vários exames e descobri a trombofilia, NKs elevadas e endometriose.  É estranho mas quando estamos nessa luta cada problema que eu encontrava ficava super feliz porque assim sabia que poderíamos tratar e evitar mais uma perda.

Exames todos feitos partimos para nossa primeira Fertilização in Vitro (FIV), um tratamento super estressante, muito caro, que nos abala emocionalmente e financeiramente, mas que vamos com toda fé do mundo que tudo dará certo. E para minha alegria recebi meu positivo, eu mal podia acreditar, mas novamente após o segundo beta fomos do céu ao inferno.  O beta não dobrou, algo estava errado, uma gestação ectópica super rara de acontecer na FIV, mas aconteceu comigo.

E mais 5 tentativas de transferência vieram, e nenhuma delas recebi outro positivo, mudei de médica, fui para São Paulo e encontrei a Dra Daniella Castellotti que foi um anjo em minha vida. Em janeiro desse ano fizemos mais uma FIV e tudo deu errado, não tive nenhum embrião, mais uma decepção, tudo passa pela nossa cabeça, o questionamento de porquê eu é inevitável! Mas novamente levantei a cabeça, sacudi a poeira e seguia em frente ruma a mais uma FIV.

E agora sim, tudo começa a dar certo, minha fé estava renovada, desde o início eu tinha a certeza que tudo daria certo, tive 4 lindos embriões, foram todos para a biópsia e 3 estavam perfeitos, minhas 3 meninas, transferimos 2 e congelamos 1. A todo momento eu dizia que já conseguia sentir as minhas filhas comigo, após 4 dias da transferência fiz um teste de farmácia (rsrs a pessoa aqui só é um pouco ansiosa rsrs) e não é que apareceu um linha tão clarinha que só eu consegui ver (rsrs), ali eu já tinha certeza que tudo daria certo.  E a cada dois dias os testes iam escurecendo cada vez mais, meu sonho estava sendo realizado, meu milagre estava em meu ventre, confirmamos com um beta lindo.  Eu já tinha certeza que seriam duas, com 4 semanas e 5 dias de gestação não aguentei e fiz uma US e lá estavam elas, meus milagrosos, meus presentes de Deus, minha Helena e minha Betina.

Hoje o que eu posso dizer disso tudo é que valeu muito a pena cada lágrima, só não consegue quem desiste, se eu tivesse desistido quando eu imaginava não ter mais forças, hoje não estaria com as minhas filhas crescendo a cada dia em meu ventre.

Me descobri nessa caminhada uma mulher muito mais forte do que um dia imaginei ser, descobri nesse caminho pessoas maravilhosas, verdadeiros anjos que Deus me deu para conseguir seguir e principalmente descobri um Deus maravilhoso, que me sustentou nos momentos que não tinha forças nem para respirar e que cumpriu com a sua palavra em minha vida da forma mais linda possível.

 

Chá de Revelação: Como organizar

Chá de Revelação: Como organizar

 

Chá de revelação é uma festa para revelar o sexo do baby. Então, vamos a organização do chá de revelação, depois farei um post sobre como eu organizei.

Convidados.

Para iniciar a organização de qualquer evento, o primeiro passo é saber a quantidade de convidados, você pode optar por um chá de revelação mais reservado e com poucos convidados, ou por um grande evento com muitos convidados. Normalmente, quem opta por um grande evento depois não realiza o chá de bebê. Bom, decidido o estilo de festa e a quantidade aproximada de pessoas a próxima etapa é a escolha do local da festa.

Local do Chá de Revelação.

O local pode ser um salão de festa, um sítio, a casa de algum parente ou até sua própria casa,  sendo que a preocupação principal é que o espaço comporte o número total de convidados. Lembro que o espaço deve comportar os convidados de forma confortável, essa é uma das principais formas do seu evento ser um sucesso com os convidados.

Recomendo que tenham lugares suficientes para que os convidados possam sentar, lógico que dependendo do estilo de convidados eles ficarão em pé, mas é sempre razoável que tenha um local para que o convidado sente caso ele desejar.

Horário do Chá

A definição do horário será muito importante porque influenciará o que você irá servir. Na hora de escolher o horário lembre-se de quem serão os convidados, afinal a idade dos convidados também pode influenciar o horário, por exemplo, se for mais idosos a noite não é o ideal.

Outra coisa importante para determinar o horário é o tamanho do evento, pois quanto maior o evento, mas tempo para arrumar a decoração, organizar comidas e bebidas, por isso escolha reservando tempo suficiente para organizar a festa no dia do evento.

Comidas e Bebidas

Bom, como já explicamos, os alimentos estão diretamente relacionados com o horário do evento, por exemplo, se agendar às 12hrs/13hrs o ideal é que seja servido almoço, portanto lembre-se disso ao escolher o horário e o que será servido.  Vou dar algumas sugestões para cada horário:

  • Pela Manhã: lanches, frutas, sucos, pães, frios, pão de queijo, algo como um brunch.
  • Almoço: churrasco, peixes, massas, saladas.
  • Tarde: lanches, salgadinhos, petiscos, canapés, comidinhas
  • Noite: Lanches, Pizza, Crepes ou até comidinhas de boteco.

Em todos os casos, o ideal é fazer uma mesa de decoração com doces, e lógico com o Bolo Decorativo do chá de revelação.

Quanto a bebida deve ser adequada aos convidados, então, você deve conhecer os seus convidados e servir o que eles estão acostumados a beber. Algumas opções: refrigerante, sucos e bebidas alcoólicas (aqui será uma opção dos pais), e nunca se esqueça de ÁGUA. Já fui em muitos eventos que não tinha água, e confesso que não foi agradável.

Decoração

A decoração do chá de revelação é bem pessoal, e tudo dependerá de quanto se está disposto a investir.  O ideal é ter um bolo bonito para o chá de revelação, ter docinhos para decorar a mesa, e aí é só utilizar a criatividade.

Algumas ideias para fazer a decoração: bexigas rosa e azul, bigodinho e laço, cata-ventos coloridos, menino e menina, corujinhas rosa e azul, passarinhos rosa e azul, entre outras.

 

Para ajudar vocês, anexo uma planilha para organização do dia do Evento, alterem conforme a necessidade do evento.Planejador de festas

 

Beijos

Tatiana Miranda

 

 

 

 

Relatos de Sucesso: Pabline

Hoje o relato é da Pabline (@rumoagravidez), que lutou por 10 anos e agora é mamãe do lindo Isaque.

Meu nome é Pabline, uma menina que hoje se tornou mãe de um menino lindo que mudou minha vida, que mudou minha história.

Mas para que eu chegasse até aqui, lutamos muitos anos para que esse sonho de ser mãe se tornasse realidade. Foram 10 anos de espera, de choro, de angústia, de muitos porquês, de muitos remédios, diagnósticos e tratamentos sem sucesso. Passamos muito tempo sem saber realmente o que tínhamos que impedia a gravidez.

A princípio foi diagnosticado no meu esposo uma varicocele. Logo não medimos esforços pra que ele fizesse uma cirurgia que corrigisse isso. Passaram-se os 4 meses do prazo que o urologista deu pra que se renovassem os sêmens, e nem ao menos um atraso na menstruação aconteceu ( sempre fui bem regulada).

Continuamos em frente, e resolvemos partir pra um especialista em reprodução humana. O primeiro que procuramos não diagnosticou qualquer infertilidade, passou umas vitaminas pro meu esposo e pronto. Passou um ano e esse mesmo médico nos indicou a inseminação artificial. Ali, o sonho ficou cada vez mais perto, afinal sabemos das chances, não são 100%, mas qualquer 1% que desse, era nossa esperança.

Aqui começou minha intimidade com os hormônios rsrsrs….várias medicações…indutores que me deixavam a flor da pele, um misto de emoções. Porém nada foi como pensamos que seria. Não tivemos sucesso. Logo, partirmos pra segunda tentativa em meio a choro e esperança tivemos outro resultado negativo.

A essa altura do campeonato, já tinha se passado 6 anos de tentativas mal sucedidas. Decidimos, eu e meu esposo, dar um tempo, tentar esquecer um pouco, fugir das rodinhas de conversinhas, de piadinhas de mal gosto e até de conversas sobre adoção, onde meu coração não se abria, porque no fundo sempre soube que eu iria gerar do meu ventre, apesar que isso, nesse momento, parecia estar longe de acontecer.

Bom, voltando, nosso tempo demorou 2 anos, mas não se engane, o desejo de engravidar estava cada vez mais forte, não tinha como esquecer. Passados esses 2 anos, muita coisa aconteceu, mudamos de cidade, de estado, as circunstâncias nos levaram.pra longe de tudo e de todos (família, amigos) e então vimos nova oportunidade de sonhar novamente e agora, sem cobranças. Foi quando surgiu a oportunidade de fazermos uma fertilização in vitro (FIV). Um passo mais perto de conseguirmos nosso milagre.

Como sempre nesse mundo de tentantes, sempre vamos com muita sede ao pote. Começou tudo de novo, exames e mais exames, outro médico, outro diagnóstico. “Agora vai” pensávamos, porém foi descoberto, através do teste de Kruger que meu esposo tinha alteração morfológica do esperma, e que a única indicação seria realmente a FIV. Hã??? Por que não descobriram isso antes?? Tanto tempo e dinheiro perdido??

Nessa hora não adiantava chorar pelo leite derramado, vamos em frente. Nova medicação, novos hormônios, novo misto de emoção e.iniciamos os preparativos. Aqui tive 3 embriões que precisavam ser congelados porque como pra nós nada e nunca foi fácil, tive hiper estímulo ovariano e tinha que esperar o próximo ciclo.

No próximo ciclo, nada mais nada menos que uma infecção urinária. Mais uma vez a transferência dos embriões adiada. Até que chegou o tempo de transferir os meus 3 pinguinhos, ansiedade a flor da pele, choro, esperança. E 15 dias até o resultado. Nesse intervalo, fraldas, roupinhas começaram a chegar, papai muito ansioso conversava com a barriga…massss….nem precisou chegar os 15 dias…a monstrinha Vermelha como sempre chegou no seu dia certinho. Nem preciso falar o que aconteceu, né? Choro, choro, mais choro, desespero total e muitos porquês de novo.

É meninas, não é fácil, né? É um turbilhão de emoções, mexe muito com a gente. Massss,  nunca quis desistir, nunca passou isso na minha cabeça…nunca me vi só eu e meu marido.

Limpamos as lágrimas e fomos em frente. A médica deu carta branca e partimos pra segunda tentativa de FIV sem intervalo. Tudo de novo: medicação, punção de óvulos (tivemos 2 embriões perfeitinhos classe A) e transferência 3 dias depois (dessa vez nada de hiper estímulo, nada de infeção urinária, nada de congelar os embriões). Repouso e 13 dias depois resultado do BHCG.

Posso dizer que chegar até aqui, não foi fácil, mas Deus na sua infinita graça e misericórdia tem o tempo certo pra tudo. Nesses 10 anos nunca deixamos de crer que ELE faria acontecer nas nossas vidas. Uma hora nosso milagre ia chegar. Não imaginávamos que demoraria 10 anos, que ELE nos daria forças pra nunca desistir, forças pra continuar perseverando até alcançar a promessa. …..e ela chegou!!.

Dia 15/06/2015, meu aniversário, Deus me deu o melhor presente, o mais esperado, o mais desejado, o nosso melhor….o tal POSITIVO que durante 10 anos esperei. ……uhruuuu!!!

E agora, em lágrimas, escrevendo esse relato, um filme passou na minha cabeça, mas aquela emoção que eu senti naquele dia não tem como eu descrever pra vcs. Eu sinto muito. Mas vcs podem imaginar, eu acho…

Ali, o dedo de Deus começou a escrever uma nova história pra mim. E hoje, com meu Isaque no colo, vejo que valeu a pena cada lágrima, cada espera, cada oração, cada frustração, cada expectativa. Valeu a pena não desistir!!!!!!

Força, perseverança, esperança e fé pra todas que estão vivendo a luta que vivi. Não desistam. A sua hora vai chegar. Eu creio.

BJinhos no coração de cada uma.
Pabline, ex tentante, mãe do Isaque.

Nova Gravidez após uma perda

Mãe de Anjo é uma missão super difícil, e retomar a vida e engravidar novamente é algo natural, mas como será a nova gravidez após a perda gestacional?

A nova gravidez é um misto de alegria, lembranças e medo, afinal um filho será sempre um filho, e o filho perdido será sempre lembrado. Além disso, a mamãe também recorda dos momentos de dor da perda anterior, o que pode lhe causar medo e preocupações.

Lógico que a alegria deve ser maior que o medo, mas o medo vai sempre existir, por isso é de suma importância que a mamãe esteja bem amparada, com médicos de confiança e, se possível, com tratamento psicológico. Um medico de confiança poderá trazer calma para a mamãe, confiança que ela está sendo bem acompanhada (eu por exemplo, faço Ultrassom a cada 10 dias) e que toda e qualquer alteração durante a gestação poderá ser solucionada pelos médicos.  Já o tratamento psicologico irá ajudar a manter o passado no passado e fazer com que se viva de forma leve no presente, lógico que não se pode esquecer o passado, mas o que não pode é reviver o passado, o passado pode e sempre será lembrado.

baby_child_wings_angel_25665_3840x2400

O passado deve ser respeitado pela mamãe, papai, familiares, amigos e até mesmo pelos médicos. A mamãe deve ter seus sentimentos respeitados, sendo que os amigos e familiares não podem fingir que nada aconteceu, e que a mamãe não tem motivo para temer, porque sim ela tem motivos para ter medo, mas esse medo não pode lhe dominar. O que os amigos e familiares devem fazer é estimular a mamãe e o papai a serem otimistas e que dessa vez tudo acontecerá de forma diferente, que dessa vez terá um final feliz.

Outra coisa que pode acontecer (e comigo isso já aconteceu algumas vezes) é confundir o nome do bebê desta gravidez com o bebê anjinho. E quando isso acontece, vem uma saudades, uma culpa desta confusão mental, afinal sabemos que cada filho é único, e nenhum filho substitui o outro. Por outro lado, essa confusão com nome mostra que o amor pelos dois filhos é gigante, e que ambos estão muito presente no coração da mamãe.

O mais importante é que a mamãe entenda que cada gravidez é única, e que cada filho é diferente do outro, e que mesmo com o medo a mamãe pode e deve ser feliz nesta nova gestação, sem se culpar pela sua felicidade.

Relatos de Sucesso: Patrícia 

O primeiro relato de sucesso é da Patrícia (@patmamaefeliz), que fez seu lindo testemunho, uma verdadeira história de fé!!! Ela lutou por quase 09 anos, e a sua fé em Deus fez com o seu lindo positivo chegasse!

Você não é derrotado quando perde. Você é derrotado quando desiste. Com essa frase eu inicio a minha história de luta para engravidar, para ser mãe.

Casei aos 29 anos e apenas aos 30 resolvi que era a hora de ter um bebê. Naquele tempo eu achava que era pá-bum, seria rápido, mas essas tentativas duraram 01 ano e então eu já com 31 anos procurei um médico para entender o que havia. Logo de cara e depois de alguns exames e tentativas (03 coitos) programados ele suspeitou que eu tivesse Endometriose, o que mais tarde se confirmou através de uma videolaparoscopia diagnóstica que eu fiz com outro médico. De fato eu tinha Endometriose Peritoneal e aderências na trompa esquerda. Fiquei um ano tratando a Endometriose depois da cirurgia, tomando várias injeções de Zoladex o que me acarretou uma menopausa provocada.

Depois de quase um ano, quando voltei a menstruar tentei engravidar naturalmente por alguns meses e como não consegui resolvemos partir para a inseminação artificial. Fizemos 03 tentativas de IA, sem sucesso em nenhuma. Nessa altura eu já estava com 34 para 35 anos e depois de muitos chás de ervas, simpatias, remedinhos homeopáticos, cirurgia espiritual, minha última opção era a Fertilização in Vitro. Na época eu era espírita e procurei a médium dirigente do Centro Espírita Kardecista que eu frequentava para me aconselhar sobre o que fazer e ela foi categórica; se eu não tinha engravidado até aquele momento com tudo o que eu já tinha feito, era porque não era propósito de Deus que eu fosse mãe ainda, provavelmente eu tinha débitos da vida passada para ter essa prova agora, ou seja, eu não tinha o merecimento necessário e que se lá na frente Deus entendesse que que sim Ele me daria. Ela me aconselhou a não faver a FIV.

Infelizmente eu adotei aquilo como uma verdade na minha vida e a partir disso sem que eu percebesse me tornei amarga, não ligava para crianças, evitava o assunto e declarava o todo tempo que eu não tinha nascido para ser mãe, eu havia desistido de tentar através de tratamentos, me tornei apática. Meu casamento que já não era uma maravilha piorou… principalmente pela revolta, vergonha, sentimento de incapacidade… e o tempo passou…

Quando então eu já estava com 36 anos depois de uma crise no meu trabalho eu finalmente conheci Jesus, e isso foi maravilhoso, a melhor coisa que me aconteceu. Conheci a verdade  e ela me libertou. Passei a mergulhar na palavra de Deus e a entender que eu não precisava mais de chás, simpatias, cirurgias espirituais, passes, benzedeiras, santos ou de outra coisa a não ser Jesus na minha vida, pois ele era e ainda é o caminho, a verdade e a vida. Passei a acreditar e ter fé que a vontade de Deus para minha vida é boa, perfeita e agradável e que Ele dá um lar à estéril e dela faz uma alegre e feliz mãe de filhos. Com essa verdade que libertou meu espírito da mentira, e após 02 anos de meditação nas promessas escritas na bíblia parti para a Fertilização in Vitro, fizemos a primeira, resultado negativo. Era difícil acreditar, eu não me conformava principalmente porque o dinheiro tinha sido tudo gasto naquela primeira tentativa.

Não tínhamos mais recursos, a não ser vender o que tínhamos. Porém ao sair da clínica sem uma explicação convincente do médico do porque tinha dado errado e com lágrimas nos olhos eu afirmei para mim mesma: Eu não vou desistir, Deus irá prover os recursos, a forma, o jeito, sei lá. Dias depois retomei a luta, pesquisei decisões favoráreis ao meu tratamento e vi que era possível o plano de saúde arcar com este tipo de tratamento desde que acionado judicialmente. Mais do que depressa reuni todo o material necessário, redigi em causa própria minha ação e despachei direto com o juiz, expliquei a ele a urgência, eu já tinha 38 anos, minha reserva ovariana já estava baixa, eu tinha pouco tempo. Eis que o juiz concedeu a decisão liminar mais bonita que já li na minha vida, sim, a partir da decisão o plano de saúde tinha 30 dias para cumprir a decisão sob pena de multa de R$ 100.000,00.

E lá fomos nós para a segunda tentativa da Fertilização in Vitro, dessa vez muito mais aliviada financeiramente e confiante pois até as medicações necessárias o plano forneceu em tempo. Mudamos o protocolo dessa vez, congelamos os embriões e decidimos transferir em outro ciclo. No entanto, e apesar de todos os esforços nossos e da equipe médica, tivemos o segundo resultado negativo. Dessa vez confesso que eu caí, não entendia o que Deus queria de mim, pois Ele tinha dado o tratamento e todas as condições, eu me questionava será que é falta de fé? E pensava que tinha algo de muito errado comigo, me achava uma vergonha, só pensava em mudar da minha cidade, fugir, desaparecer. Mas Deus como é fiel e nunca desampara seus filhos ele enviou os anjos dele para nos apoiar, nos dar um ombro amigo e para fortalecermos a nossa fé.

De fato, fui muito amparada pelo meu pastor e por sua esposa, e é claro, pelas irmãs, amigas mais próximas e alguns familiares que se dispuseram a orar por mim, principalmente para que eu não desistisse. Consegui aos poucos retomar a luta mas dessa vez com uma nova postura, questionei o médico e exigi uma mudança de protocolo. Ele atendeu e antes de partir para a terceira vez fizemos um exame chamado ERA a fim de descobrir falhas na implantação do embrião. Do mesmo modo ao produzirmos os embriões enviamos 04 para a biópsia genética chamada NGS, e desse lote tivemos apenas 01 normal e em condições de ser implantado. Fizemos tudo o que tinha de ser feito dessa vez e andamos eu e o marido pela fé, afinal, nós só precisávamos de 01 para Deus fazer o milagre. Voltei pra casa e deveria esperar os 12 dias após o procedimento para fazer o tão esperado exame de sangue Beta HCG que confirmaria ou não a gravidez. Eis que no décimo dia eu resolvi fazer um teste de farmácia, aquele das duas listrinhas. Eu pensava que pelo menos a segunda listrinha iria aparecer fraquinha, mas apareceria. Ledo engano, nem sinal da segunda listrinha. Nem preciso dizer que eu quase morri!!! Desfaleci na hora, não iria suportar. Quase coloco tudo a perder com essa atitude digamos irresponsável da minha parte. Procurei ajuda, fui orientada a permanecer em atitude de fé, orar sem cessar e acreditar, naquele dia recebi uma mensagem a noite no whatsapp que falava sobre quando Deus abriu o mar. Nada era impossível para Ele. Chorei muito e adormeci.

No decimo segundo dia fui para o laborátorio colher o sangue, estava tranquila, mas uma alegria inexplicável eu sentia na alma. A tarde me ligaram do laboratório informando que o resultado do exame estava pronto. Corri pra lá e abri lá mesmo, caí de joelhos emocionada agradecendo a Deus pelo milagre, meu positivo estava lá, eu estava realmente GRÁVIDA! Hoje estou com 13 semanas de gravidez e graças a Deus está tudo bem com a gente, estou tendo uma gravidez abençoada e tranquila. Entendi finalmente que tudo tinha que acontecer agora, porque não tenho mais dúvidas que Deus nos ama independente das nossas obras, do nosso caráter, do nosso merecimento, Ele é apenas amor, e tudo já foi conquistado para nós através do sacrifício de Jesus na cruz. Deus sorriu pra mim e com Ele vencemos a infertilidade! Toda honra e glória ao Senhor!!!

Obrigada pelo testemunho Paty!!!

Parabéns pela sua gestação, que Deus continue lhe abençoando!!

Beijão em vocês

Relatos de Sucesso

Durante a minha luta para engravidar eu gostava de saber de tentantes que conseguiram o positivo e o bebê no colo, isso me estimulava a continuar e a não desistir. Quando eu estava muito triste e desanimada, eu sempre consultava o site do meu médico, que tem depoimentos de mamães que conseguiram superar a infertilidade e o aborto de repetição, isso era como renovar a minha fé, era um impulso para eu continuar.Como agora eu estou grávida, eu achei importante, manter esse estímulo para as tentanes de agora e as próximas tentantes (sim, isso ficará no site), por esse motivo eu pretendo realizar post quinzenal de casos de sucesso de tentantes.  Porém para que isso funcione eu preciso de relatos de ex-tentantes, por isso, se souberem de alguém que tem interesse, é só mandar um e-mail para mim (gravidezumsonho@gmail.com).

Cada mamãe ou gestação que foram tentantes poderão escrever da forma que lhe convém, a ideia é só trazer casos de sucesso para que as tentantes percebam que vale a pena insistir, persistir, e que a luta pode ser difícil, mas a vitória também acontecerá.

Para que o caso seja mais relevante para as tentantes, vou pesquisar mamães que foram tentantes por no mínimo um ano, ou que tenham enfrentado algum tipo de tratamento de fertilização.

Serão casos de sucesso que poderão estimular as tentantes, penso que será uma forma de renovar a fé de todas por aqui.

Se souberem de alguém que está disposta a contribuir será bem legal. 🙂

Beijos

Tati

@gravidezumsonho