Entrevista com a Fotógrafa  Anne Ulson sobre Lifestyle

Após meu ensaio fotográfico com a querida Anne Ulson, eu tive a idéia de esclarecer sobre as fotos Lifestyle, que foi o estilo que eu tirei.

Então, vamos lá:

Tati: Anne, como você iniciou sua carreira? E como você descobriu esse seu Dom?

Anne: Bom, meus pais sempre foram apreciadores de arte e livros. Passei minha infância admirando fotografias dos livros da biblioteca do meu pai, que também é um excelente fotógrafo. Aos 17 anos tive o privilégio de morar em Chicago na residência de uma renomada artista norte-americana, chamada Ginny Sykes, foi lá onde abri meus horizontes e conheci trabalhos de outros fotógrafos de perto. Passei então a fotografar por hobbie. No início de 2009 decidi me especializar, fui estudar fotografia, seis meses depois, fiz meus primeiros trabalhos fotográficos profissionais.

Tati: O que é esse lifestyle no mundo da fotografia? E quais situações é mais indicado?

Anne: Lifestyle é um estilo de fotografar que retrata de forma intimista, o cotidiano de quem é fotografado. Casal deitado na cama com preguiça, criança feliz tomando banho de mangueira no jardim, um abraço gostoso no sofá, brincadeiras com os pets… Imagine uma manhã de domingo em família, esse é o espirito! Indicado para casais que buscam fotografias espontâneas, naturais, repletas de bons sentimentos e muito amor.

Tati: Quais ambientes você acha mais apropriados para ensaio gestante e de família?

Anne: Sem dúvida nenhuma o ambiente deve ser algo bem familiar, que faça parte da rotina e da história da família, local onde todos se sintam à vontade, que traga bons sentimentos, boas lembranças, afinal esse ambiente também será eternizado nas fotografias. Já fiz trabalhos em hotéis durante as férias da família, também em praças e ao ar-livre, com resultados muito especiais. Afinal, nada melhor para extrair alegria nas imagens, que um local que propicia FELICIDADE.

Tati: Quais as dicas de roupa para fazer um ensaio fotográfico (seja gestante ou de família)?

Anne: Sou um pessoa que ama o básico, o natural. Isso faz parte da minha personalidade, da minha essência… Minhas clientes são atraídas pelo meu estilo fotográfico clean. Muitos casos, minhas clientes já sabem o que querem… Mesmo assim acabo sugerindo para a família roupas leves, confortáveis, em tons claros e pastéis. Sem logo marca em evidência, nem acessórios pesados como colares e relógios chamativos. O foco está nas pessoas e no sentimento, não nos objetos.
Para as gestantes, recomendo tops que mostram a barriga, shorts ou pantalonas. Amo fotografar mulheres com renda, lingerie e camisolas românticas. Para homens, bermudas caquis e camisetas branca. Pés descalços são essenciais para uma foto natural.

Tati: O ensaio gestante deve ser feito em qual época da gestação? E Por quê?

Anne: Eu recomendo fazer as fotografias entre 30 a 32 semanas, momento em que a barriga começa a ficar bem redondinha e a gestante não está tão cansada. Mas, nada impede de fotografarmos mais para frente. Isso varia de gestante para gestante. O importante é se sentir feliz e iluminada, afinal uma vida cresce dentro de você e não tem nada mais especial que isso.

Tati: Tem alguma dica de foto para as gestantes e mamães que não podem contratar um profissional? Tem indicação de algum aplicativo de edição não profissional?

Anne: Dispense o uso de flash. Fotografe sempre durante o dia, sob a luz do começo da manhã ou final de tarde, se o sol estiver forte procure uma sombra suave. Em ambientes internos aproveite a luz natural que vem de janelas e varandas. Cuidado que o fundo pode poluir imagens em sua composição. Para quem fotografa com o smartphone, o Snapseed é um aplicativo com excelentes ferramentas de edição. Cuidado com muito contraste das edições de família, tudo tem que ser leve…

Todas as fotos utilizadas neste post são de propriedade de Anne Ulson Fotografia e protegidas nos termos da lei.

Relato de Sucesso: Taci – Maternidade Sonhada

O relato de hoje é da Taci da maternidade sonhada, que após anos de luta engravidou através de tratamento da pequena Mariana e apenas 07 meses depois do nascimento da Valentina e engravidou naturalmente.

Leia o relato da Taci

Sempre quis ser mae, desde pequena esta era uma certeza que eu tinha.

Me casei nova aos 23 aninhos e após 1 ano e algo de casados decidimos liberar as tentativas… Foi quando em 2001 descobri ser portadora de endometriose severa, atípica por não apresentar sintomas. Fui operada duas vezes, fiz uma inseminação artificial, 2 Fertilizações in Vitro (FIV), vários tratamentos hormonais, até descobrir um novo diagnóstico: falência ovariana precoce. Isso já há quase 5 anos de muita luta… Mudamos de equipe médica (jé era a terceira nesta caminhada) e enfim decidimos que havíamos chegado ao nosso limite e que tentaríamos a última FIV, isso lá no ano de 2006. Encarei aquela FIV com TUDO, muita garra e esperança, e engravidei da minha Mariana! Quando a mesma tinha apenas 7 meses engravidei naturalmente, contrariando TODOS os prognósticos médicos. Após MUITO sofrimento fui mãe duas vezes em dois anos consecutivos (2007 e 2008). Há dois anos escrevo o blog Maternidade Sonhada alcançando muitas mulheres que estão nesta caminhada nada fácil da espera do filho que não vem, algo que me realiza e me emociona muito! Estou escrevendo com muito carinho um livro relatando detalhes da minha história espero poder publicar em breve para alcançar um numero maior ainda de pessoas que conheçam aqueles capítulos da minha vida e que possam assim ajudá-las a não desistirem facilmente, porque como eu sempre digo: TUDO valerá a pena! Temos que acreditar! Deus é Deus e para Ele definitivamente NADA, absolutamente NADA, é impossível!

Taci Lira, mãe das minhas lindas meninas: Mariana e Valentina, os maiores presentes da minha vida, o meu sonho e o meu milagre!

Relato de Sucesso: Jessica

Hoje quem fez o Relato é a Jessica, mãe do Biel, que enfrentou uma luta, mas hoje está realizada curtindo seu filhão.

Olá, meu nome é Jéssica e sou a @diario_babybiel, vim contar um pouco da minha história para vocês. Durante toda a minha adolescência fiz controle de nódulos de mama, na minha família é comum as mulheres terem, em 2013 durante um exame de rotina foi constatado um nódulo com aspecto é crescimento anormais, que poderia vir a ser algo maligno, entrei em desespero, me revoltei com tudo e com todos, tive que passar por uma cirurgia onde perdi parte do tecido da mama direita, tive uma hemorragia muito feia, passei por outra cirurgia em um intervalo de 7 dias, sinceramente achei que morreria.

Agora vocês me perguntam o que tem haver com a maternidade? Simples, a partir deste momento comecei a pensar o que eu deixaria na Terra caso partisse, neste momento de aflição descobri no fundo do meu coração que eu queria ser mãe, porque se acaso eu fosse embora em algum outro momento, deixaria um pedacinho meu, minha sementinha.

Foi assim que em 2014, com 5 anos de casada e com a permissão dos médicos que cuidaram de mim, comecei a tentar ter meu filho. Achei que logo que parasse o anticoncepcional engravidaria, fiz todos os exames necessários e já iniciei o ácido fólico. Primeiro mês nada, Segundo mês nada, Terceiro mês nada, e já começou a bater o desespero. Procurei o Ginecologista refiz os exames e nenhuma causa aparente, quarto mês e nada, marido fez o espermograma e tudo normal. Daí já tinha passado 10 meses e nenhum resultado, comecei a fazer simpatias, perna para cima, chás, métodos lunares e nada.

Com 11 meses de tentante resolvi procurar uma clínica de fertilização, sim fertilização, temia pela idade do meu marido, não queríamos que ele parecesse avô do bebê (ele é 20 anos mais velho que eu), e havia também o medo do meu seio voltar a dar problema e termos que interromper as tentativas. Era mês de março e consegui uma consulta para o dia 22 de abril. Fiquei muito tensa no período fértil, tomei todos aqueles chás de tentante, ainda havia um fio de esperança neste que seria o último mês de tentativas sem uma outra intervenção.  No dia marcado para a ovulação, senti umas fisgadas no ovário esquerdo, sai da faculdade no meio da aula e corri para casa, falei com o marido, é agora ou nunca. Passado período fértil, nem pensava mais nisso, estava ansiosa pela consulta, realizei todas as minhas atividades sem o menor receio, como sou veterinária, realizei procedimentos cirúrgicos, fiz raio X de uma cadelinha, sem nem pensar no que viria a seguir.

No dia 20 de abril sonhei a noite toda com um teste de gravidez que estava escondido no guarda roupas, acordei as 5hrs da manhã corri para o banheiro, loucura da minha cabeça fazer o teste visto que minha menstruação só viria no dia 22, dia da consulta. Mas resolvi mesmo assim fazer, fiz o xixi no palitinho, esperei 5 minutos e nada de segunda listra, joguei o teste no lixo e voltei para cama, com muito ódio de mim por ter feito aquele teste, adormeci. Marido levantou e foi trabalhar, voltei a levantar as 10hrs, fui ao banheiro e ao sentar no vaso peguei aquela fitinha do teste no lixo, não acreditei no que meus olhos viam, uma segunda listra bem clarinha, quase invisível, mandei o teste no meu grupo de tentantes e pedi a opinião das meninas, todas me disseram que também viam a listra, imediatamente comecei a chorar incontrolavelmente, não conseguia falar por telefone para o meu marido o que estava acontecendo, pedi que ele viesse o mais rápido possível. Dentro de 5 minutos ele chegou em casa, eu estava em prantos no chão do banheiro, saímos loucos atrás de um laboratório para fazer um beta, como era véspera de feriado e segunda feira, estava tudo fechado, rodamos a cidade toda e encontramos um único laboratório que fazia o exame e entregava dentro de 45 minutos. Coletaram o sangue e ficamos andando no centro da cidade sem rumo até dar o tempo, eu oscilava entre choro e sorriso, parecia uma louca. Depois do tempo previsto, chegamos ao laboratório, a atendente veio conversar comigo e me disse que o exame tinha dado negativo porque o valor de HCG não tinha atingido o mínimo para positivo (que era 50mcg), mas que estava bem alto o valor, que era para eu esperar o dia esperado para a menstruação vir e repetir o exame, mas que ela tinha certeza que eu estava grávida. Saímos de lá sem saber se podíamos contar para a família ou não, preferimos ficar quietinhos.

Dia a dia fui fazendo exames de urina e a segunda listrinha escurecendo, no dia previsto para a menstruação voltei cedinho ao laboratório e repeti o beta, uma hora mais tarde estava lá meu positivo, tão esperado, tão amado. Gritei aos sete ventos que eu era a mulher mais feliz do mundo. Tive uma gestação tranquila, no final apareceu uma colestase hepática que acabou por desencadear um parto prematuro aos 8 meses, meu bebê precisou ficar 7 dias internado, mas tiramos de letra. E neste mês de dezembro fez 1 ano que eu ganhei de Deus o presente mais lindo, precioso e perfeito do mundo.

Fotos Gestantes 

O mundo da gravidez é um tanto mágico, muitas mulheres, assim como eu, sonharam e lutaram muito para conquistar a linda barriga de gestante. Então, nada melhor que aproveitar e tirar muitas fotos, né?

Uma dica super legal é fotografar a evolução da gestação, pode ser foto semanal, quinzenal ou até mensal (vai de cada um, só não pode esquecer de tirar a fotinho).

As fotos podem depender bastante da grávida ou do casal, pode ser estilo romântica ou estilo divertida, essas são bem legais! Vale a pena procurar na internet algumas fotos para ter ideias.

        
Se você tiver fotos do Ultrassom também vale a pena inserir nas fotos, assim como alguns itens do seu bebê!!!

20161219_185325 [447455].jpg

Inspire-se nas datas comemorativas e use a criatividade com seu barrigão.

            

Outras fotos legais são em ambientes abertos como parques, praias e piscinas.

img_4660

Tente tirar muitas fotos em seu dia a dia, acredite 9 meses passam rapidinho, e depois você já vai ficando craque para fotografar seu bebê.

       

Alguns aplicativos ajudam: Pinterest e Instagram são ótimos para buscar inspirações, e o Aplicativo (App) BabyPics é bem legal para brincar com as fotos. Outra opção é fazer um curso on line de Photoshop, como da WFour Cursos por exemplo.

Lógico que se você tiver condições, contrate um bom profissional para realizar um ensaio fotográfico, porque isso faz muita diferença! Eu tirei muitas em casa sozinha com meu marido, mas também fiz o ensaio, e acho que quanto mais fotos melhor 😉.

Bjks

Tati – @gravidezumsonho

Relatos de Sucesso: Rayane – Cerclagem

Hoje o relato é da Rayane, que foi tentante por dois anos e teve uma gestação bem complicada.,  diagnosticada com Insuficiência Istmo Cervical (IIC) com 24 semanas de gestação, realizou a cerclagem de emergência e venceu tudo. Rayane é mãe da Sophia. Leiam e se emocionem.

Tudo começou em 2013, quando eu e meu esposo iniciamos as tentativas para engravidar. Os meses foram passando e nada de “engravidarmos”. Então, fui na minha médica fiz uns exames e fui diagnosticada com Síndrome de Ovário Policístico (conhecido como SOP).  Fiz os tratamentos direitinho com indutor de ovulação e nada de baby. Com isso, meu marido foi no médico e deu que a quantidade de espermatozoides dele é baixa. Ele realizou os tratamentos também, mas nada de vir o bebê. Nisso foi passando os meses, depois de 1 ano e 6 meses de tentativa demos ‘um tempo’ nesse assunto de ter filho. Nós não evitávamos, mas também não ficamos mais com aquela loucura de período fértil, terminou levanta as pernas rsrs.

Com 2 anos e 4 meses sem tomar anticoncepcional, meu ciclo ficou irregular, tinha mês que vinha 2 ou 3 vezes no mesmo mês ou passava 2 meses sem vir. Então, resolvi voltar a tomar anticoncepcional. Eu estava sentindo uma cólicas fraquinhas e disse pro marido: ‘Amor a menstruação vai chegar, vou tomar anticoncepcional, mas antes vou fazer um teste só por desencargo de consciência. Afinal de contas já faz um mês e meio que eu não menstruo’. Mas eu tinha certeza que daria negativo. E lá fui eu na farmácia, comprei o teste e o anticoncepcional. No outro dia bem cedinho eu acordei, fiz o teste e deixei na pia, nem olhei o resultado, pois eu achava que era negativo mesmo e que a monstra (menstruação) logo desceria porque eu tava com cólica. E fui dormir. Quando eu estava quase adormecendo, pensei: ‘Jonathas (meu esposo) é desajeitado… Se ele acordar primeiro que eu vai bater naquele copo com o teste e vai ser xixi pra todo lado. Vou jogar logo.’ Levantei e pra mim surpresa estava lá um positivo lindo e com duas linhas bem fortes, sai gritando feito uma louca: ‘Amor, acorda que eu tô grávida. Acorda… Obrigada meu Deus’. Foi uma alegria sem fim. Imediatamente fomos fazer o beta HCG (exame de sangue) e, siim, eu realmente estava grávida. Tudo corria extremamente bem.. Com 11 semanas e 6 dias descobri que era uma menina, minha tão sonhada: Sophia ❤ (Nome escolhido desde a minha infância) tudo ia tudo bem.. Um verdadeiro sonho.

Até as 24 semanas, quando eu tava em casa e vi que eu estava perdendo tampão mucoso. Fui nas pressas para uma clínica e lá a médica que estava “vomitou” sem nem um pingo de compaixão o diagnóstico. ‘Seu colo é incompetente (IIC), era pra tu ter feito cerclagem, mas só se faz cerclagem até no máximo 12 semanas. Eu não faço cerclagem com esse tempo gestacional seu. E pelo seu tempo de gestação e peso sua bebê não resiste. Não há o que fazer’. Fiquei sem chão, sem saber o que fazer.  Mandei um whatsapp para minha médica (que é de outra cidade), e ela me orientou a não levantar para mais nada e que no outro dia fosse pra Recife, fizesse  uma ultrassom pra ver o tamanho da gravidade e se minha bolsa estava no canal vaginal. Se não tivesse, ela iria fazer uma cerclagem de urgência. E foi  oque eu fiz, fiquei na casa de painho e mainha e não levantei mais. Quando meu marido chegou eu contei a ele (não quis dar a notícia por telefone), ele se desesperou, afinal não era pra menos, as chances da cerclagem dar certo eram mínimas.

No outro dia logo cedo, fizemos a ultrassonografia e graças a Deus a bolsa não estava no canal vaginal, mas meu colo do útero media apenas 1.1mm (curtíssimo). A Dra. me internou e me pôs com os pés da cama mais alto, fazendo um declínio pra minha bebê subir o máximo possível. No outro dia antes de fazer a cerclagem, a Dra. veio me falar dos riscos, falou que a agulha poderia pegar na bolsa e minha bebê poderia nascer prematura mas que se a cerclagem fosse um sucesso eu teria que ficar com a cama declinada e sem levantar para mais nada ate ela nascer. Nem pensei e disse que iria até o fim por minha filha. E lá fomos nos para o bloco cirúrgico. Me colocaram praticamente de ponta a cabeça e começaram o procedimento. Tomei a anestesia raquidiana e me sedaram. O procedimento durou 3 horas e graças a Deus deu tudo certo.

Minha Dra. conseguiu fazer a cerclagem dupla. Com 3 dias eu tive alta. As recomendações médicas eram: tomar utrogestan de 12 em 12 hrs via oral, inibina de 8 em 8 hrs, buscopan composto de 6 em 6 hrs, natele uma vez ao dia, Ómega mater uma vez ao dia. Minhas necessidades eu deveria fazer todas numa aparadeira e levantar só uma vez no dia para tomar banho e um banho extremamente rápido e sentada numa cadeira. E quando eu quisesse lavar o cabelo deveria ser deitada na cama mesmo e Mainha que colocasse uma bacia com água do lado pra lavar. Pés da cama beeem mais alto,  eu nao levantava nem pra comer,  nem beber… Eram 24 horas deitada.
Fiz uma ultrassonografia depois da cerclagem e meu colo foi pra 1.8mm e a agulha passou a 3mm da bolsa. Foi literalmente por um fio. Deus é maravilhoso. Chegando em casa cumprimos as recomendações médicas à risca. Mas com o passar do tempo pelo fato de estar parada meus músculos começaram a doer (Tomava dorflex e biofenac spray para a dor). Mas mesmo seguindo tudo a risca, com 27 semanas voltei a ser internada porque perdi muuuuuito tampão. Os pontos folgaram pq como minha bebê estava sentada ela provavelmente “Empurrou os pontos”, fiquei internada por 8 dias. Fui pra casa e continuei seguindo tudo a risca.. Pelo fato de estar deitada meu intestino ficou lento… O tempo foi passando as dores no corpo só aumentavam, era quase insuportável, mas eu fazia tudo por minha bebê. Quando  cheguei as 33 semanas, comecei a ter problema cardio (uma reação do inibina por tempo prolongado e em grande quantidade), meu coração começou a dar sinais que não estava aguentando (e eu não tenho problema nenhum de coração). Para evitar os problemas cardio tentamos diminuir a dose, mas sempre que fazíamos isso, eu sentia contrações.Então, mantivemos a dose inicial e eu voltava a tomar de 8 em 8 hrs, imagina a agonia. Depois com 35 semanas voltaram os enjoos,  pessoas cercladas nao podem forçar a barriga e  eu voltei a tomar medicações para enjoos (cheguei a
Tomar 22 comprimidos por dia)..

Com 36 semanas e 4 dias fiz uma ultrassonografia e minha bebê estava muito embaixo e estava forçando a cerclagem. Literalmente ela estava sendo segurada pela cerclagem E com 36 e 5 dias fiz minha Cesárea (eu não queria parto normal).
Pensa que acabou por ai? NAO. O parto foi complicado, e depois de muita luta, ela nasceu as 20:35 e sem chorar. Os médicos começaram a reanima-la e eu desesperada.. Perguntando o que estava acontecendo porque ela não estava chorando… Meu esposo pedindo para eu me acalmar que tava tudo bem (mentiu pra me acalmar). Depois de momentos angustiantes, ela chorou… Chorou forte. E para honra e glória de Deus eu venci a IIC. Sophia nasceu dia 22 de janeiro de 2016. Pesando 2,825. Medindo 45cm..  Cabeluda e PERFEITA…

Tenham fé, confiem e acreditem

Tati – @gravidezumsonho

Enxoval de Bebê: Nicolas II

Continuando o assunto Enxoval, que é um mundo a parte…rsrsrs

Kit Berço

O Kit berço eu comprei na Bibelô pela internet, após indicação da loja em que comprei o berço. Optei por comprar o Kit berço com 07 peças, sendo 02 rolos laterais, uma almofada de cabeceira e um rolinho para os pés do berço, além edredom, saia do berço e o trocador.

O trocador pense em algo confortável (veja qualidade da espuma) e não esqueça de ter um travesseirinho para a troca.

14310823_1819433598291296_182207724_n

Porta Fraldas

Na mesma loja que comprei o Kit berço, eu comprei 03 unidades porta fraldas, e assim combinando com as cores do quarto e com o kit berço.  Antes de encomendar o Porta Fraldas é importante saber a medida do seu varão, o que influenciará a quantidade desses porta fraldas. O meu varão eu comprei em Embu das Artes, quando estava grávida do meu anjo Lucca.

img_5204

O porta fralda não é um item essencial, mas pode ajudar bastante, principalmente quando  não se tem muito espaço no quarto do bebê.

Irei colocar as fraldas e mais alguns itens de troca para facilitar o dia a dia.

Nichos

Optei por comprar Nichos de Led e no tom Azul Turquesa, acabei pagando mais caro por isso. Comprei no site Elo7, lá tem várias lojas e vários tipos de Nicho. Os meus Nichos são grandes porque gostei muito do modelo de urso que ganhei de uma amiga, e aí comprei mais dois ursos para decorar o Nicho.

O Nicho com Led foi para evitar de comprar um abajur, assim, quando o Nicolas acordar durante a noite acenderemos o Led do Nicho e teremos um quarto uma iluminação suave.

img_4573

Cueiros/Mantas/ Panos de boca/Toalha Fralda.

Cueiro é aquele lenço para enrolar o bebê, para forrar o trocador e o carrinho. Existe diversos modelos, e vários nomes para esse tecido. Eu comprei uns da Carters e ganhei mais alguns.

Mantas são necessárias, mesmo para os bebês que nascem no verão, porque os bebês recém-nascidos sentem frio, o útero era bem quentinho. Então, acho que é importante ter no mínimo 02 mantas em casa.

Panos de Boca são muito necessários, item indispensável (segundo as minhas amigas), e quanto mais melhor. São aqueles panos para limpar o bebê em emergência, para proteger o bebê durante as mamadas, entre outras utilidades. Então, não se intimide e pode separar uma gaveta para esses panos de boca.

Toalha Fralda é aquele toalha com tecido bem suave e será muito útil nos primeiros dias de vida do bebê. Como o bebê tem a pele frágil será essa toalha fralda que servirá para secar o bebê, alguns hospital até orientam a utilizar essa toalha para limpar o bebê durante o banho. Então, esse é um item bem importante.

Tesoura e Kit pente e cabelo

Esses são itens podem ser esquecidos com facilidade, mesmo sendo bem importantes. Algumas lojas vendem o kit, mas esses produtos podem ser encontrado até em farmácias.

A tesoura tem que ser especial para bebês e normalmente tem as pontas arrendondas e/ou curvadas, evitando machucar/cortar o bebê, facilitando assim o dia a dia dos pais. E o pente/escova tem ser macio e específico para o bebê.

Lenço umedecido x algodão

Algumas mamães me indicaram o lenço umedecido e outras o uso de algodão com água morna a cada troca. Então, acho útil manter as duas opções, até para que se possa escolher como será no seu dia a dia. O lenço umedecido, mesmo para as mães que preferem o algodão, são úteis para realizadas fora de casa.

Sapatinhos / Meias / Luvas e Gorros

O bebê recém-nascido sente mais frio do que os adultos, isso porque é importante ter todos os itens como sapatinhos, meias, luvas e gorros na lista de enxoval. Se o bebê estiver previsto para nascer no inverno, o ideal é aumentar a quantidade desses itens, mas mesmo nascendo no verão coloque esses itens na sua lista de enxoval.

Lençol / toalhas

Não se pode esquecer dos lençóis para o berço, observando sempre o tamanho do berço que se comprou. Eu comprei 03 jogos de lençol e mais 04 fronhas avulsas, acho que é o suficiente.

Quanto as toalhas, como já escrevi acima, inicialmente o recém-nascido usará as toalhas- fraldas que são mais delicadas para a pele do bebê. Eu comprei 03 toalhas fraldas, e mais 02 toalhas infantil.

Bom, esses são os itens que eu achei importante descrever, mas para facilitar, estou compartilhando com vocês uma lista-de-enxoval.

Espero ter ajudado vocês.

Tati – @gravidezumsonho

Relatos de Sucesso: Kele mãe da Isadora

Hoje é o relato da Kele, que iniciou sua luta bem novinha, mas que lutou muito e hoje tem a sua princesinha Isadora. Gostamos de compartilhar histórias reais, assim, cada uma de vocês podem se inspirar nelas….

Acreditem, confiem….sua hora irá chegar também. 🙂

Meu sonho, desde muito nova, foi ser mãe, sempre me imaginei com um bebê, especialmente amamentar. Então, com 17 anos, eu casei e por mim já tinha tentado engravidar desde o início, mas decidimos curtir um pouco o casamento. Assim, um ano e meio depois, parei o anticoncepcional e aí começou a ansiedade.

Todos os meses a mesma expectativa e nada do positivo vir, mas segundo o Ginecologista até um ano de tentativas é normal. Com o passar de um ano e veio o primeiro positivo,  nossa eu não acreditava, vieram os planos, a ansiedade a mil, já sai comprando roupinhas, sapatinhos, eu realmente vivia um sonho. Só que com 12 semanas senti uma pontada e uma cólica durante o dia, e naquela noite apontou um pequeno sangramento  (meu mundo caiu, eu já sentia que tinha algo errado). Com isso, fui pra emergência, o médico examinou e aparentemente tudo estava normal, colo do útero fechado e o sangramento era muito pouquinho. Ainda assim, o médico indicou que eu fizesse uma ultrassonografia.  No dia seguinte fui fazer o exame, então, aconteceu o meu primeiro trauma quando o médico disse que era uma gravidez molar (existia o saco gestacional, porém não existia o embrião). Nesse momento, meu mundo desabou passou um filme na minha cabeça, engoli o choro e vim pra casa. Sofri horrores em silêncio, não queria que ninguém sentisse pena de mim. No dia seguinte, fiz a curetagem e minha Ginecologista informava que era normal, e me liberou para novas tentativas após três meses.

Assim que passou os três meses eu parei o anticoncepcional, só que eu estava traumatizada. Após aproximadamente um ano e meio recebi o segundo positivo. Como eu estava traumatizada, eu sentia que tinha algo errado, então,  não fiz planos, não procurei minha Ginecologista. Até que em uma manhã, eu tive pequeno sangramento novamente, a tal gravidez molar. Novamente fiz a curetagem. Após isso, decidi que não iria mais tentar.

Três anos se passaram e a vontade de ser mãe só aumentava. Com o incentivo da minha Ginecologista, que deu a maior força para que eu tentasse mais uma vez, fiz todos os exames e meu esposo também. Com os resultados todos normais, parei o anticoncepcional, e tomei medicamentos pra ovular e nada.

Após 03 anos de novas tentativas, veio o meu terceiro positivo  ‘meu Deus que felicidade’, eu pensava ‘agora vai dar tudo certo’.  Recebi o positivo em um dia e no dia seguinte tive um sangramento, pensava ‘meu Deus de novo’.  Ao realizar o Ultrassom não escutava o coraçãozinho, possivelmente outra gravidez molar, porém como estava apenas de 6 semanas era muito cedo para escutar o coraçãozinho. Pensava ‘duas gravidez molar já é raro,  imagine três’.  No dia seguinte realizamos outro ultrassom e finalmente escutamos o coraçãozinho….nossa que felicidade, sentia que era de verdade, eu estava grávida e tinha um bebê ali. Porém, estava com descolamento da placenta, então, fiquei de repouso total, uso de alguns medicamentos. Após 10 dias repeti o ultrassom, foram mais longos 10 dias da minha vida, e quando colocou o aparelho, percebo pelo olhar da médica que havia algo errado.  Infelizmente, o bebê não evoluiu, não tinha batimentos. Fiz novamente a curetagem.

No retorno da minha Ginecologista, ela me informou que fez o que pode e, então, me encaminhou para um hematologista para investigar (alegando que até dois abortos é normal e com mais três precisa uma investigação mais avançada), e quando tivesse um diagnóstico retornasse com ela. Então, assim eu fiz, fui para o hematologista, realizei centenas de exames, e descobri uma possível trombofilia. Com isso, a indicação era de quando eu engravidasse teria que tomar uma injeção todos os dias (clexanes 40mg) e assim suspendeu o anticoncepcional. Por ser muito ansiosa e sempre demorei muito pra engravidar,  parei o anticoncepcional no mesmo mês.

Nesse mesmo mês, deu uma reviravolta na minha vida, decidimos mudar de cidade, por isso sai do meu trabalho. Com tantas mudanças eu nem lembrava de gravidez, e foi aí que veio a surpresa meu quarto positivo.  Em meio de uma mudança de vida, de cidade…..fui imediatamente para minha Ginecologista, e comecei a com as injeções e alguns outros medicamentos, e realizei repouso por precaução (pelo histórico de abortos). Com isso, meu marido se mudou sozinho, enquanto eu continuava e tudo sob controle. Chegava a tão esperada ultrassom de 7 semanas, nem preciso dizer que o nervoso e ansiedade tomou conta de mim, e para minha emoção quando o médico coloca o aparelhinho, lá estava o coraçãozinho do meu milagre….Durante a gestação foram 7 ultrassons, 308 furadas de injeção de clexane, umas 30 e pouca furadinhas de exames de sangue, 128 furadas nos dedos (pois tive diabetes gestacional), mas com 36 semanas e 6 dias nasceu minha princesa…minha vidinha, meu milagre forte e saudável….Nem precisa dizer que foi um dos dias mais felizes da minha vida.

E apos muitas lágrimas, muitas lutas, eis que o milagre aconteceu.

Tenham fé, não desistam.

Tati – @Gravidezumsonho

Dicas para controlar ansiedade

Olá Tentantes!!!

Primeiramente, gostaria de agradecer a Tati que me convidou para escrever este texto para vocês, espero que todas gostem que de alguma forma eu possa ajudá-las com as questões da vida de tentante. Mandem pra gente sugestões, dúvidas para que possamos escrever sobre assuntos que vocês querem ler, certinho!!

Hoje vou falar um pouco sobre o que fazer com a ansiedade da espera em ter o tão sonhado
POSITIVO!!

Primeiro: NÃO SE CULPE!!! Ficar grávida não é algo fácil, pode ser simples, quando falo simples é no sentido de que precisamos de pouco elementos para que isso aconteça, basicamente um ovulo e um esperma, sabemos que não é só isso que nos diga as tentantes
que estão no processo de FIV. Então, bate um papo com você mesma, dizendo que não é fácil ficar grávida, que aquilo que está dentro das suas capacidades você está fazendo. Esta
conversa ajuda a você se sentir mais calma e confiante.

RESPIRE, quando você estiver se sentindo muito agitada, pare onde você estiver, feche  os olhos, respire bem fundo pelo o nariz e solte devagarzinho pela boca, repita quantas vezes
for necessário até você sentir mais tranquila.

A pressão da família e amigos é grande, ficam perguntando, palpitando e este comportamento faz com que você se sinta mais ansiosa. Eles fazem isso para tentar ajudar,
mas muitas vezes atrapalha, o que você pode responder é que o bebê virá quando ele quiser
chegar e que você o esperará.

Esperar é algo que será inevitável nesta jornada;

Evite determinar um prazo para gravidez acontecer, pois isto aumenta a tensão;

Comparações, “por que fulana ficou grávida e eu não”, isso só faz com que você se
sinta incapaz e sua autoestima fica lá embaixo;

Busque ajuda profissional, converse com seu médico sobre as suas angustias e se você
não se sentir acolhida por ele, procure outro até encontrar um que você se identifique;

Pode ter momentos que o cansaço chega, caso isso aconteça tente lembrar-se do porque você quer ser mãe e use isso para te dar força para continuar.

Espero ter ajudado.

Beijinhos… até a próxima!

Amanda Pascoal
Psicóloga
CRP: 06/093868
Tel: (11) 3462-3227

Relato de Sucesso: Mariana

Hoje o relato de sucesso é da Mariana, que lembro bem dela no começo de gravidez bem preocupada com o tratamento com a Imunoglobulina Humana. Ela é uma querida e hoje tem um príncipe em casa.

Meu nome é Mariana e sou casada há 8 anos. Eu sempre tive o sonho de ser mãe, sempre quis construir uma família. Com 1 ano de casada começamos com as tentativas. No começo é tudo muito legal,mas conforme foi passando o tempo e nada acontecia começamos a nos preocupar.

Na época o meu ginecologista de anos só pediu exames de rotina e não investigou o que tinha de errado. Por conta própria meu marido realizou exame e como deu tudo certo, esse meu médico passou indutores de ovulação.

Ficamos super animados e fizemos muitos e muitos ciclos. Em vão.

Se antes,nós falávamos para todos que estávamos tentando,começamos a parar de falar e até a evitar o assunto. Não entendíamos porque não estava dando certo. Mas eu nunca pensei em desistir.

Eu e meu marido acreditamos muito em Deus e decidimos fazer um encontro de casais na igreja. Para falar a verdade fomos sem expectativa alguma, fomos mais por sugestão de familiares que já haviam feito e tinham gostado. Ali, eu decidi entregar toda minha vontade de ser mãe a Deus e pela primeira vez senti que seria mãe independente do caminho que tivesse que percorrer para isso. Eu sempre tive muita vontade de gerar um filho,mas a minha maior vontade e desejo era de ser mãe. Por isso saí de lá disposta e aceitando o meu destino. Na mesma semana,uma colega de trabalho me indicou o seu antigo médico de reprodução humana, e logo agendei a consulta.

Todo o período antes e durante o tratamento foi de muita ansiedade e introspecção. Tivemos que nos planejar muito financeiramente, mudamos para um lugar mais barato, abrimos mão de alguns gastos. Por mais que seus amigos e familiares torçam por você, só quem realmente passa por aquilo te entende de verdade. A fertilização é um desgaste físico, financeiro e emocional muito grande.

Por isso,eu comecei a seguir perfis de pessoas que estavam pimg_2741-1assando pelo mesmo que eu ou que já tinham tido essa experiência. E foi incrível. Além de toda informação que consegui, saber casos de sucesso, me deu um animo a mais. Os obstáculos foram muitos: tivemos que repetir alguns exames, usar medicações caras (a mais) que não tínhamos nos planejado mas sempre a vida foi dando uma opção para seguirmos em frente. Nesse período conheci o instagram da Tati e ela me ajudou muito com informações sobre a imunoglobina humana. Serei grata para sempre.

A rede de tentantes é incrível muito mais amigável e solidária do que a rede social de perfis de maternidade. As vezes tudo o que queremos ouvir é que sim,é difícil mas que tudo vai dar certo. Não tem nada melhor do que ouvir de alguém que já sentiu o mesmo medo que você que tudo vai passar.

No dia 28 de fevereiro de 2015,pleno sábado de carnaval, eu ,meu marido e Nsa. Sra de Fátima nas mãos do meu marido presenciamos eu e 2 embriões nos tornando um só. O período de espera é tenso, mas no dia 06.03 não consegui esperar e fiz um exame de gravidez que deu positivo. Foi uma emoção que nunca vou esquecer.

Minha gravidez foi bem tranquila e no dia 06 de novembro4.JPG de 2015 recebemos o nosso maior presente, nosso Miguel. Nosso pequeno tem apenas 1 ano mas nos ensinou tanto, nunca vou me cansar de agradecer a Deus e a vida por tê-lo conosco. Ser mãe é desafiador, mas é a experiência mais linda e mais incrível pra mim. O maior sonho da minha vida, aconteceu. Eu sempre ouvi falar desse amor arrebatador mas eu não imaginava que seria tão incrível. Viver tudo o que eu sonhei por tantos anos,me emociona. Principalmente nessa época de Natal eu olhava as famílias com seus filhos e pedia para viver aquilo.

Por isso,se você que está lendo tem esse sonho e desejo de ser mãe, não desista. Em primeiro lugar,aceite sua missão. Depois,se informe,não deixe que obstáculos impeçam que você siga em frente. Aceite ajuda. Independente da sua fé, peça a Deus, ao universo que o seu desejo seja atendido. Seja otimista. Acredite. E nunca se esqueça que o sofrimento nos faz mais fortes,mais preparadas para a vida e que é fundamental para nosso crescimento.

Todos os momentos ruins não são nada perto da felicidade de ter um filho. Deus não demora,Ele capricha .

Lindo relato, né? A luta pode ser dura, mas acredite que sua hora vai chegar. 🙂

Bjks

Tati – @Gravidezumsonho

Adoção: quando adotar?

Adoção é um ato de amor, é uma vontade de ter uma família independente de qualquer elo sanguíneo. Adoção é descobrir o que é amor incondicional, adoção é consequência de uma atitude consciente e um amor livre de preconceitos. Mas como saberei quando estou pronto para adotar?

Bom, o primeiro passo é perder o madoçãoedo do julgamento da sociedade, afinal a sociedade irá lhe julgar de qualquer forma (infelizmente ainda vivemos em uma sociedade assim), por exemplo: se você quer ter apenas um filho vão lhe julgar que seu filho ficará mimado, se você tem dois filhos meninos vão lhe perguntar quando terão a meninha, e com adoção não será diferente. Aprenda você SEMPRE será julgado, portanto livre-se dessaa preocupações, quando os julgamentos acontecerem você se sentirá pronto para lidar com a situação.

Você está aberto para ser pai/mãe? está disposto a constituir a família independente da forma? Ou você ainda tem algum desejo de gerar e abriria mão da adoção caso engravidasse? Bom, se você tem dúvidas para responder essas questões é importante pensar em todos esses questionamentos antes de ingressar com adoção.

Lembre-se que é o futuro de uma criança que está em jogo, não dá para mudar de opinião (sem gerar mais danos) após uma adoção. Adoção é assunto sério!!!

Como eu ingressei com adoção e depois engravidei, muitas seguidoras me questionam sobre adoção, mas como já até escrevi sobre o assunto: gravidez não anula minha vontade de adotar, e adoção não anula minha vontade de gerar, mas o que realmente importa é TER MEUS FILHOS!

Não ingresse com processo de adoção pensando que isso irá lhe ajudar a engravidar (sinto que muitas mulheres fazem isso), porque uma coisa não pode estar relacionada com a outra. “Ah Tati muitas mulheres engravidam após adotar”, e eu vou lhe responder “mas elas queriam adotar, elas estavam abertas para a adoção, e não entraram com adoção para conseguirem engravidar”.

E se você estiver com um pensamento assim, você não conseguirá um laudo positivo da psicologa, teve uma amiga minha que não conseguiu, sabe por quê? porque ela não estava aberta para adoção, ela ainda não aceitava que para ser mãe não importa o laço sanguíneo. E essa minha amiga, achou que eu também não seria habilitada porque ainda tinha planos de engravidar, mas sabe qual a diferença entre eu e ela? Eu sempre tive o desejo de adotar no meu coração, eu acredito que mãe é quem ama incondicionalmente.

Pense em tudo isso! Adoção é uma linda forma de constituir sua família, mas tem que ser uma atitude responsável.

Beijos

Tati @gravidezumsonho