Fotos Gestantes 

O mundo da gravidez é um tanto mágico, muitas mulheres, assim como eu, sonharam e lutaram muito para conquistar a linda barriga de gestante. Então, nada melhor que aproveitar e tirar muitas fotos, né?

Uma dica super legal é fotografar a evolução da gestação, pode ser foto semanal, quinzenal ou até mensal (vai de cada um, só não pode esquecer de tirar a fotinho).

As fotos podem depender bastante da grávida ou do casal, pode ser estilo romântica ou estilo divertida, essas são bem legais! Vale a pena procurar na internet algumas fotos para ter ideias.

        
Se você tiver fotos do Ultrassom também vale a pena inserir nas fotos, assim como alguns itens do seu bebê!!!

20161219_185325 [447455].jpg

Inspire-se nas datas comemorativas e use a criatividade com seu barrigão.

            

Outras fotos legais são em ambientes abertos como parques, praias e piscinas.

img_4660

Tente tirar muitas fotos em seu dia a dia, acredite 9 meses passam rapidinho, e depois você já vai ficando craque para fotografar seu bebê.

       

Alguns aplicativos ajudam: Pinterest e Instagram são ótimos para buscar inspirações, e o Aplicativo (App) BabyPics é bem legal para brincar com as fotos. Outra opção é fazer um curso on line de Photoshop, como da WFour Cursos por exemplo.

Lógico que se você tiver condições, contrate um bom profissional para realizar um ensaio fotográfico, porque isso faz muita diferença! Eu tirei muitas em casa sozinha com meu marido, mas também fiz o ensaio, e acho que quanto mais fotos melhor 😉.

Bjks

Tati – @gravidezumsonho

Relatos de Sucesso: Rayane – Cerclagem

Hoje o relato é da Rayane, que foi tentante por dois anos e teve uma gestação bem complicada.,  diagnosticada com Insuficiência Istmo Cervical (IIC) com 24 semanas de gestação, realizou a cerclagem de emergência e venceu tudo. Rayane é mãe da Sophia. Leiam e se emocionem.

Tudo começou em 2013, quando eu e meu esposo iniciamos as tentativas para engravidar. Os meses foram passando e nada de “engravidarmos”. Então, fui na minha médica fiz uns exames e fui diagnosticada com Síndrome de Ovário Policístico (conhecido como SOP).  Fiz os tratamentos direitinho com indutor de ovulação e nada de baby. Com isso, meu marido foi no médico e deu que a quantidade de espermatozoides dele é baixa. Ele realizou os tratamentos também, mas nada de vir o bebê. Nisso foi passando os meses, depois de 1 ano e 6 meses de tentativa demos ‘um tempo’ nesse assunto de ter filho. Nós não evitávamos, mas também não ficamos mais com aquela loucura de período fértil, terminou levanta as pernas rsrs.

Com 2 anos e 4 meses sem tomar anticoncepcional, meu ciclo ficou irregular, tinha mês que vinha 2 ou 3 vezes no mesmo mês ou passava 2 meses sem vir. Então, resolvi voltar a tomar anticoncepcional. Eu estava sentindo uma cólicas fraquinhas e disse pro marido: ‘Amor a menstruação vai chegar, vou tomar anticoncepcional, mas antes vou fazer um teste só por desencargo de consciência. Afinal de contas já faz um mês e meio que eu não menstruo’. Mas eu tinha certeza que daria negativo. E lá fui eu na farmácia, comprei o teste e o anticoncepcional. No outro dia bem cedinho eu acordei, fiz o teste e deixei na pia, nem olhei o resultado, pois eu achava que era negativo mesmo e que a monstra (menstruação) logo desceria porque eu tava com cólica. E fui dormir. Quando eu estava quase adormecendo, pensei: ‘Jonathas (meu esposo) é desajeitado… Se ele acordar primeiro que eu vai bater naquele copo com o teste e vai ser xixi pra todo lado. Vou jogar logo.’ Levantei e pra mim surpresa estava lá um positivo lindo e com duas linhas bem fortes, sai gritando feito uma louca: ‘Amor, acorda que eu tô grávida. Acorda… Obrigada meu Deus’. Foi uma alegria sem fim. Imediatamente fomos fazer o beta HCG (exame de sangue) e, siim, eu realmente estava grávida. Tudo corria extremamente bem.. Com 11 semanas e 6 dias descobri que era uma menina, minha tão sonhada: Sophia ❤ (Nome escolhido desde a minha infância) tudo ia tudo bem.. Um verdadeiro sonho.

Até as 24 semanas, quando eu tava em casa e vi que eu estava perdendo tampão mucoso. Fui nas pressas para uma clínica e lá a médica que estava “vomitou” sem nem um pingo de compaixão o diagnóstico. ‘Seu colo é incompetente (IIC), era pra tu ter feito cerclagem, mas só se faz cerclagem até no máximo 12 semanas. Eu não faço cerclagem com esse tempo gestacional seu. E pelo seu tempo de gestação e peso sua bebê não resiste. Não há o que fazer’. Fiquei sem chão, sem saber o que fazer.  Mandei um whatsapp para minha médica (que é de outra cidade), e ela me orientou a não levantar para mais nada e que no outro dia fosse pra Recife, fizesse  uma ultrassom pra ver o tamanho da gravidade e se minha bolsa estava no canal vaginal. Se não tivesse, ela iria fazer uma cerclagem de urgência. E foi  oque eu fiz, fiquei na casa de painho e mainha e não levantei mais. Quando meu marido chegou eu contei a ele (não quis dar a notícia por telefone), ele se desesperou, afinal não era pra menos, as chances da cerclagem dar certo eram mínimas.

No outro dia logo cedo, fizemos a ultrassonografia e graças a Deus a bolsa não estava no canal vaginal, mas meu colo do útero media apenas 1.1mm (curtíssimo). A Dra. me internou e me pôs com os pés da cama mais alto, fazendo um declínio pra minha bebê subir o máximo possível. No outro dia antes de fazer a cerclagem, a Dra. veio me falar dos riscos, falou que a agulha poderia pegar na bolsa e minha bebê poderia nascer prematura mas que se a cerclagem fosse um sucesso eu teria que ficar com a cama declinada e sem levantar para mais nada ate ela nascer. Nem pensei e disse que iria até o fim por minha filha. E lá fomos nos para o bloco cirúrgico. Me colocaram praticamente de ponta a cabeça e começaram o procedimento. Tomei a anestesia raquidiana e me sedaram. O procedimento durou 3 horas e graças a Deus deu tudo certo.

Minha Dra. conseguiu fazer a cerclagem dupla. Com 3 dias eu tive alta. As recomendações médicas eram: tomar utrogestan de 12 em 12 hrs via oral, inibina de 8 em 8 hrs, buscopan composto de 6 em 6 hrs, natele uma vez ao dia, Ómega mater uma vez ao dia. Minhas necessidades eu deveria fazer todas numa aparadeira e levantar só uma vez no dia para tomar banho e um banho extremamente rápido e sentada numa cadeira. E quando eu quisesse lavar o cabelo deveria ser deitada na cama mesmo e Mainha que colocasse uma bacia com água do lado pra lavar. Pés da cama beeem mais alto,  eu nao levantava nem pra comer,  nem beber… Eram 24 horas deitada.
Fiz uma ultrassonografia depois da cerclagem e meu colo foi pra 1.8mm e a agulha passou a 3mm da bolsa. Foi literalmente por um fio. Deus é maravilhoso. Chegando em casa cumprimos as recomendações médicas à risca. Mas com o passar do tempo pelo fato de estar parada meus músculos começaram a doer (Tomava dorflex e biofenac spray para a dor). Mas mesmo seguindo tudo a risca, com 27 semanas voltei a ser internada porque perdi muuuuuito tampão. Os pontos folgaram pq como minha bebê estava sentada ela provavelmente “Empurrou os pontos”, fiquei internada por 8 dias. Fui pra casa e continuei seguindo tudo a risca.. Pelo fato de estar deitada meu intestino ficou lento… O tempo foi passando as dores no corpo só aumentavam, era quase insuportável, mas eu fazia tudo por minha bebê. Quando  cheguei as 33 semanas, comecei a ter problema cardio (uma reação do inibina por tempo prolongado e em grande quantidade), meu coração começou a dar sinais que não estava aguentando (e eu não tenho problema nenhum de coração). Para evitar os problemas cardio tentamos diminuir a dose, mas sempre que fazíamos isso, eu sentia contrações.Então, mantivemos a dose inicial e eu voltava a tomar de 8 em 8 hrs, imagina a agonia. Depois com 35 semanas voltaram os enjoos,  pessoas cercladas nao podem forçar a barriga e  eu voltei a tomar medicações para enjoos (cheguei a
Tomar 22 comprimidos por dia)..

Com 36 semanas e 4 dias fiz uma ultrassonografia e minha bebê estava muito embaixo e estava forçando a cerclagem. Literalmente ela estava sendo segurada pela cerclagem E com 36 e 5 dias fiz minha Cesárea (eu não queria parto normal).
Pensa que acabou por ai? NAO. O parto foi complicado, e depois de muita luta, ela nasceu as 20:35 e sem chorar. Os médicos começaram a reanima-la e eu desesperada.. Perguntando o que estava acontecendo porque ela não estava chorando… Meu esposo pedindo para eu me acalmar que tava tudo bem (mentiu pra me acalmar). Depois de momentos angustiantes, ela chorou… Chorou forte. E para honra e glória de Deus eu venci a IIC. Sophia nasceu dia 22 de janeiro de 2016. Pesando 2,825. Medindo 45cm..  Cabeluda e PERFEITA…

Tenham fé, confiem e acreditem

Tati – @gravidezumsonho

Enxoval de Bebê: Nicolas II

Continuando o assunto Enxoval, que é um mundo a parte…rsrsrs

Kit Berço

O Kit berço eu comprei na Bibelô pela internet, após indicação da loja em que comprei o berço. Optei por comprar o Kit berço com 07 peças, sendo 02 rolos laterais, uma almofada de cabeceira e um rolinho para os pés do berço, além edredom, saia do berço e o trocador.

O trocador pense em algo confortável (veja qualidade da espuma) e não esqueça de ter um travesseirinho para a troca.

14310823_1819433598291296_182207724_n

Porta Fraldas

Na mesma loja que comprei o Kit berço, eu comprei 03 unidades porta fraldas, e assim combinando com as cores do quarto e com o kit berço.  Antes de encomendar o Porta Fraldas é importante saber a medida do seu varão, o que influenciará a quantidade desses porta fraldas. O meu varão eu comprei em Embu das Artes, quando estava grávida do meu anjo Lucca.

img_5204

O porta fralda não é um item essencial, mas pode ajudar bastante, principalmente quando  não se tem muito espaço no quarto do bebê.

Irei colocar as fraldas e mais alguns itens de troca para facilitar o dia a dia.

Nichos

Optei por comprar Nichos de Led e no tom Azul Turquesa, acabei pagando mais caro por isso. Comprei no site Elo7, lá tem várias lojas e vários tipos de Nicho. Os meus Nichos são grandes porque gostei muito do modelo de urso que ganhei de uma amiga, e aí comprei mais dois ursos para decorar o Nicho.

O Nicho com Led foi para evitar de comprar um abajur, assim, quando o Nicolas acordar durante a noite acenderemos o Led do Nicho e teremos um quarto uma iluminação suave.

img_4573

Cueiros/Mantas/ Panos de boca/Toalha Fralda.

Cueiro é aquele lenço para enrolar o bebê, para forrar o trocador e o carrinho. Existe diversos modelos, e vários nomes para esse tecido. Eu comprei uns da Carters e ganhei mais alguns.

Mantas são necessárias, mesmo para os bebês que nascem no verão, porque os bebês recém-nascidos sentem frio, o útero era bem quentinho. Então, acho que é importante ter no mínimo 02 mantas em casa.

Panos de Boca são muito necessários, item indispensável (segundo as minhas amigas), e quanto mais melhor. São aqueles panos para limpar o bebê em emergência, para proteger o bebê durante as mamadas, entre outras utilidades. Então, não se intimide e pode separar uma gaveta para esses panos de boca.

Toalha Fralda é aquele toalha com tecido bem suave e será muito útil nos primeiros dias de vida do bebê. Como o bebê tem a pele frágil será essa toalha fralda que servirá para secar o bebê, alguns hospital até orientam a utilizar essa toalha para limpar o bebê durante o banho. Então, esse é um item bem importante.

Tesoura e Kit pente e cabelo

Esses são itens podem ser esquecidos com facilidade, mesmo sendo bem importantes. Algumas lojas vendem o kit, mas esses produtos podem ser encontrado até em farmácias.

A tesoura tem que ser especial para bebês e normalmente tem as pontas arrendondas e/ou curvadas, evitando machucar/cortar o bebê, facilitando assim o dia a dia dos pais. E o pente/escova tem ser macio e específico para o bebê.

Lenço umedecido x algodão

Algumas mamães me indicaram o lenço umedecido e outras o uso de algodão com água morna a cada troca. Então, acho útil manter as duas opções, até para que se possa escolher como será no seu dia a dia. O lenço umedecido, mesmo para as mães que preferem o algodão, são úteis para realizadas fora de casa.

Sapatinhos / Meias / Luvas e Gorros

O bebê recém-nascido sente mais frio do que os adultos, isso porque é importante ter todos os itens como sapatinhos, meias, luvas e gorros na lista de enxoval. Se o bebê estiver previsto para nascer no inverno, o ideal é aumentar a quantidade desses itens, mas mesmo nascendo no verão coloque esses itens na sua lista de enxoval.

Lençol / toalhas

Não se pode esquecer dos lençóis para o berço, observando sempre o tamanho do berço que se comprou. Eu comprei 03 jogos de lençol e mais 04 fronhas avulsas, acho que é o suficiente.

Quanto as toalhas, como já escrevi acima, inicialmente o recém-nascido usará as toalhas- fraldas que são mais delicadas para a pele do bebê. Eu comprei 03 toalhas fraldas, e mais 02 toalhas infantil.

Bom, esses são os itens que eu achei importante descrever, mas para facilitar, estou compartilhando com vocês uma lista-de-enxoval.

Espero ter ajudado vocês.

Tati – @gravidezumsonho

Relatos de Sucesso: Kele mãe da Isadora

Hoje é o relato da Kele, que iniciou sua luta bem novinha, mas que lutou muito e hoje tem a sua princesinha Isadora. Gostamos de compartilhar histórias reais, assim, cada uma de vocês podem se inspirar nelas….

Acreditem, confiem….sua hora irá chegar também. 🙂

Meu sonho, desde muito nova, foi ser mãe, sempre me imaginei com um bebê, especialmente amamentar. Então, com 17 anos, eu casei e por mim já tinha tentado engravidar desde o início, mas decidimos curtir um pouco o casamento. Assim, um ano e meio depois, parei o anticoncepcional e aí começou a ansiedade.

Todos os meses a mesma expectativa e nada do positivo vir, mas segundo o Ginecologista até um ano de tentativas é normal. Com o passar de um ano e veio o primeiro positivo,  nossa eu não acreditava, vieram os planos, a ansiedade a mil, já sai comprando roupinhas, sapatinhos, eu realmente vivia um sonho. Só que com 12 semanas senti uma pontada e uma cólica durante o dia, e naquela noite apontou um pequeno sangramento  (meu mundo caiu, eu já sentia que tinha algo errado). Com isso, fui pra emergência, o médico examinou e aparentemente tudo estava normal, colo do útero fechado e o sangramento era muito pouquinho. Ainda assim, o médico indicou que eu fizesse uma ultrassonografia.  No dia seguinte fui fazer o exame, então, aconteceu o meu primeiro trauma quando o médico disse que era uma gravidez molar (existia o saco gestacional, porém não existia o embrião). Nesse momento, meu mundo desabou passou um filme na minha cabeça, engoli o choro e vim pra casa. Sofri horrores em silêncio, não queria que ninguém sentisse pena de mim. No dia seguinte, fiz a curetagem e minha Ginecologista informava que era normal, e me liberou para novas tentativas após três meses.

Assim que passou os três meses eu parei o anticoncepcional, só que eu estava traumatizada. Após aproximadamente um ano e meio recebi o segundo positivo. Como eu estava traumatizada, eu sentia que tinha algo errado, então,  não fiz planos, não procurei minha Ginecologista. Até que em uma manhã, eu tive pequeno sangramento novamente, a tal gravidez molar. Novamente fiz a curetagem. Após isso, decidi que não iria mais tentar.

Três anos se passaram e a vontade de ser mãe só aumentava. Com o incentivo da minha Ginecologista, que deu a maior força para que eu tentasse mais uma vez, fiz todos os exames e meu esposo também. Com os resultados todos normais, parei o anticoncepcional, e tomei medicamentos pra ovular e nada.

Após 03 anos de novas tentativas, veio o meu terceiro positivo  ‘meu Deus que felicidade’, eu pensava ‘agora vai dar tudo certo’.  Recebi o positivo em um dia e no dia seguinte tive um sangramento, pensava ‘meu Deus de novo’.  Ao realizar o Ultrassom não escutava o coraçãozinho, possivelmente outra gravidez molar, porém como estava apenas de 6 semanas era muito cedo para escutar o coraçãozinho. Pensava ‘duas gravidez molar já é raro,  imagine três’.  No dia seguinte realizamos outro ultrassom e finalmente escutamos o coraçãozinho….nossa que felicidade, sentia que era de verdade, eu estava grávida e tinha um bebê ali. Porém, estava com descolamento da placenta, então, fiquei de repouso total, uso de alguns medicamentos. Após 10 dias repeti o ultrassom, foram mais longos 10 dias da minha vida, e quando colocou o aparelho, percebo pelo olhar da médica que havia algo errado.  Infelizmente, o bebê não evoluiu, não tinha batimentos. Fiz novamente a curetagem.

No retorno da minha Ginecologista, ela me informou que fez o que pode e, então, me encaminhou para um hematologista para investigar (alegando que até dois abortos é normal e com mais três precisa uma investigação mais avançada), e quando tivesse um diagnóstico retornasse com ela. Então, assim eu fiz, fui para o hematologista, realizei centenas de exames, e descobri uma possível trombofilia. Com isso, a indicação era de quando eu engravidasse teria que tomar uma injeção todos os dias (clexanes 40mg) e assim suspendeu o anticoncepcional. Por ser muito ansiosa e sempre demorei muito pra engravidar,  parei o anticoncepcional no mesmo mês.

Nesse mesmo mês, deu uma reviravolta na minha vida, decidimos mudar de cidade, por isso sai do meu trabalho. Com tantas mudanças eu nem lembrava de gravidez, e foi aí que veio a surpresa meu quarto positivo.  Em meio de uma mudança de vida, de cidade…..fui imediatamente para minha Ginecologista, e comecei a com as injeções e alguns outros medicamentos, e realizei repouso por precaução (pelo histórico de abortos). Com isso, meu marido se mudou sozinho, enquanto eu continuava e tudo sob controle. Chegava a tão esperada ultrassom de 7 semanas, nem preciso dizer que o nervoso e ansiedade tomou conta de mim, e para minha emoção quando o médico coloca o aparelhinho, lá estava o coraçãozinho do meu milagre….Durante a gestação foram 7 ultrassons, 308 furadas de injeção de clexane, umas 30 e pouca furadinhas de exames de sangue, 128 furadas nos dedos (pois tive diabetes gestacional), mas com 36 semanas e 6 dias nasceu minha princesa…minha vidinha, meu milagre forte e saudável….Nem precisa dizer que foi um dos dias mais felizes da minha vida.

E apos muitas lágrimas, muitas lutas, eis que o milagre aconteceu.

Tenham fé, não desistam.

Tati – @Gravidezumsonho

Relato de Sucesso: Mariana

Hoje o relato de sucesso é da Mariana, que lembro bem dela no começo de gravidez bem preocupada com o tratamento com a Imunoglobulina Humana. Ela é uma querida e hoje tem um príncipe em casa.

Meu nome é Mariana e sou casada há 8 anos. Eu sempre tive o sonho de ser mãe, sempre quis construir uma família. Com 1 ano de casada começamos com as tentativas. No começo é tudo muito legal,mas conforme foi passando o tempo e nada acontecia começamos a nos preocupar.

Na época o meu ginecologista de anos só pediu exames de rotina e não investigou o que tinha de errado. Por conta própria meu marido realizou exame e como deu tudo certo, esse meu médico passou indutores de ovulação.

Ficamos super animados e fizemos muitos e muitos ciclos. Em vão.

Se antes,nós falávamos para todos que estávamos tentando,começamos a parar de falar e até a evitar o assunto. Não entendíamos porque não estava dando certo. Mas eu nunca pensei em desistir.

Eu e meu marido acreditamos muito em Deus e decidimos fazer um encontro de casais na igreja. Para falar a verdade fomos sem expectativa alguma, fomos mais por sugestão de familiares que já haviam feito e tinham gostado. Ali, eu decidi entregar toda minha vontade de ser mãe a Deus e pela primeira vez senti que seria mãe independente do caminho que tivesse que percorrer para isso. Eu sempre tive muita vontade de gerar um filho,mas a minha maior vontade e desejo era de ser mãe. Por isso saí de lá disposta e aceitando o meu destino. Na mesma semana,uma colega de trabalho me indicou o seu antigo médico de reprodução humana, e logo agendei a consulta.

Todo o período antes e durante o tratamento foi de muita ansiedade e introspecção. Tivemos que nos planejar muito financeiramente, mudamos para um lugar mais barato, abrimos mão de alguns gastos. Por mais que seus amigos e familiares torçam por você, só quem realmente passa por aquilo te entende de verdade. A fertilização é um desgaste físico, financeiro e emocional muito grande.

Por isso,eu comecei a seguir perfis de pessoas que estavam pimg_2741-1assando pelo mesmo que eu ou que já tinham tido essa experiência. E foi incrível. Além de toda informação que consegui, saber casos de sucesso, me deu um animo a mais. Os obstáculos foram muitos: tivemos que repetir alguns exames, usar medicações caras (a mais) que não tínhamos nos planejado mas sempre a vida foi dando uma opção para seguirmos em frente. Nesse período conheci o instagram da Tati e ela me ajudou muito com informações sobre a imunoglobina humana. Serei grata para sempre.

A rede de tentantes é incrível muito mais amigável e solidária do que a rede social de perfis de maternidade. As vezes tudo o que queremos ouvir é que sim,é difícil mas que tudo vai dar certo. Não tem nada melhor do que ouvir de alguém que já sentiu o mesmo medo que você que tudo vai passar.

No dia 28 de fevereiro de 2015,pleno sábado de carnaval, eu ,meu marido e Nsa. Sra de Fátima nas mãos do meu marido presenciamos eu e 2 embriões nos tornando um só. O período de espera é tenso, mas no dia 06.03 não consegui esperar e fiz um exame de gravidez que deu positivo. Foi uma emoção que nunca vou esquecer.

Minha gravidez foi bem tranquila e no dia 06 de novembro4.JPG de 2015 recebemos o nosso maior presente, nosso Miguel. Nosso pequeno tem apenas 1 ano mas nos ensinou tanto, nunca vou me cansar de agradecer a Deus e a vida por tê-lo conosco. Ser mãe é desafiador, mas é a experiência mais linda e mais incrível pra mim. O maior sonho da minha vida, aconteceu. Eu sempre ouvi falar desse amor arrebatador mas eu não imaginava que seria tão incrível. Viver tudo o que eu sonhei por tantos anos,me emociona. Principalmente nessa época de Natal eu olhava as famílias com seus filhos e pedia para viver aquilo.

Por isso,se você que está lendo tem esse sonho e desejo de ser mãe, não desista. Em primeiro lugar,aceite sua missão. Depois,se informe,não deixe que obstáculos impeçam que você siga em frente. Aceite ajuda. Independente da sua fé, peça a Deus, ao universo que o seu desejo seja atendido. Seja otimista. Acredite. E nunca se esqueça que o sofrimento nos faz mais fortes,mais preparadas para a vida e que é fundamental para nosso crescimento.

Todos os momentos ruins não são nada perto da felicidade de ter um filho. Deus não demora,Ele capricha .

Lindo relato, né? A luta pode ser dura, mas acredite que sua hora vai chegar. 🙂

Bjks

Tati – @Gravidezumsonho

Adoção: quando adotar?

Adoção é um ato de amor, é uma vontade de ter uma família independente de qualquer elo sanguíneo. Adoção é descobrir o que é amor incondicional, adoção é consequência de uma atitude consciente e um amor livre de preconceitos. Mas como saberei quando estou pronto para adotar?

Bom, o primeiro passo é perder o madoçãoedo do julgamento da sociedade, afinal a sociedade irá lhe julgar de qualquer forma (infelizmente ainda vivemos em uma sociedade assim), por exemplo: se você quer ter apenas um filho vão lhe julgar que seu filho ficará mimado, se você tem dois filhos meninos vão lhe perguntar quando terão a meninha, e com adoção não será diferente. Aprenda você SEMPRE será julgado, portanto livre-se dessaa preocupações, quando os julgamentos acontecerem você se sentirá pronto para lidar com a situação.

Você está aberto para ser pai/mãe? está disposto a constituir a família independente da forma? Ou você ainda tem algum desejo de gerar e abriria mão da adoção caso engravidasse? Bom, se você tem dúvidas para responder essas questões é importante pensar em todos esses questionamentos antes de ingressar com adoção.

Lembre-se que é o futuro de uma criança que está em jogo, não dá para mudar de opinião (sem gerar mais danos) após uma adoção. Adoção é assunto sério!!!

Como eu ingressei com adoção e depois engravidei, muitas seguidoras me questionam sobre adoção, mas como já até escrevi sobre o assunto: gravidez não anula minha vontade de adotar, e adoção não anula minha vontade de gerar, mas o que realmente importa é TER MEUS FILHOS!

Não ingresse com processo de adoção pensando que isso irá lhe ajudar a engravidar (sinto que muitas mulheres fazem isso), porque uma coisa não pode estar relacionada com a outra. “Ah Tati muitas mulheres engravidam após adotar”, e eu vou lhe responder “mas elas queriam adotar, elas estavam abertas para a adoção, e não entraram com adoção para conseguirem engravidar”.

E se você estiver com um pensamento assim, você não conseguirá um laudo positivo da psicologa, teve uma amiga minha que não conseguiu, sabe por quê? porque ela não estava aberta para adoção, ela ainda não aceitava que para ser mãe não importa o laço sanguíneo. E essa minha amiga, achou que eu também não seria habilitada porque ainda tinha planos de engravidar, mas sabe qual a diferença entre eu e ela? Eu sempre tive o desejo de adotar no meu coração, eu acredito que mãe é quem ama incondicionalmente.

Pense em tudo isso! Adoção é uma linda forma de constituir sua família, mas tem que ser uma atitude responsável.

Beijos

Tati @gravidezumsonho

Relatos de Sucesso: Ligia

Hoje a história é da Ligia (@li.mamae), que após muita luta tem uma bela família com 03 filhos:  Leia, se emocione e se motive. 

Casamos bem novinhos. Eu com 23 e o papai com 26. Uns três anos depois começamos pensar em ter filhos. Quatro anos depois engravidei pela primeira vez com a ajuda de indutores da ovulação, já que esse era o único motivo (aparente) para não conseguir engravidar. Perdi o bebê antes mesmo da primeira ultrassonografia.

Mais dois anos de tentativas sem sucesso e finalmente aceitei a ideia de procurar um especialista em reprodução assistida. Muitos outros exames foram realizados e constatamos que, além das dificuldades de ovulação,  meu marido tinha uma leve alteração na motilidade dos espermatozoides, que não impedia uma gravidez espontânea mas era mais um motivo para dificultar, mais um fator agravante.

Partimos, então,  para uma Inseminação Artificial, e na primeira tentativa tivemos um positivo. Um beta HCG baixo, que não aumentava muito, mas lá estava meu bebê, com batimentos cardíacos. Poucos dias depois comecei ter um sangramento e na ultrassonografia lá estava mais uma derrota, ausência dos batimentos cardíacos no embrião.

Depois disso,  fizemos mais três Inseminações Artificiais (IA) sem sucesso e, então, partimos para a Fertilização in Vitro (FIV). Sabendo como meu corpo respondia com as medicações, meu médico foi super cauteloso na indução, mas, mesmo assim, tive muitos folículos e foram aspirados 32 óvulos! Desses, 22 estavam maduros e 18 fertilizaram. Dos 18, tivemos 14 bons embriões que continuaram se desenvolvendo após o segundo dia. Três dias depois retornamos a clínica felizes da vida para ¨buscar¨ nosso bebê, mas ao fazer uma ultrassonografia meu médico observou que eu estava com líquido na cavidade abdominal, e optou por não fazer a transferência naquele dia, congelando todos os embriões. Voltei para casa muito frustrada, com medo de não dar certo com os embriões congelados, e triste porque na minha cabeça já voltaria grávida para casa naquele mesmo dia. Hoje sei quão prudente e correto foi meu médico, meu anjo Dr. Waldemar.

Um mês depois, já recuperada de tudo e com o endométrio preparado fizemos a transferência de dois lindos embriões. Doze dias depois um beta positivo. E mais uma vez comecei ter um sangramento, dessa vez muito intenso! Estava de 5 semanas e 4 dias, fizemos uma ultrassonografia e o saco gestacional estava lá, bem redondinho, o que tranquilizou meu médico, porém o fez pensar em todas as possibilidades para esse sangramento. Saí do consultório direto para uma clínica que trabalha com imunologia de reprodução, e fiz a primeira aplicação de Imunoglobulina Humana. Saí dessa clínica direto para o hospital para internar. Dois dias depois fui fazer a primeira ultra lá no hospital (depois da hemorragia naquele dia que só tínhamos visualizado o saco gestacional) nunca, nunca vou me esquecer os segundos de angustia que vivi antes de ouvir do médico “estou visualizando o embrião e tem batimentos cardíacos!”. A partir daquele dia eu passei a acreditar que poderia dar certo, mesmo com o sangramento e com muitos betas que não subiam como esperávamos. Uma semana de hospital e vim para casa continuar meu repouso absoluto! Só me levantava para ir ao banheiro. Com 12 semanas estava tudo perfeitamente normal e voltei a fazer tudo, inclusive trabalhar…Fiz uso da Imunoglobulina Humana até o sétimo mês de gestação e meu príncipe nasceu de parto cesárea, com 39 semanas de uma gravidez tranquila passado o primeiro trimestre.

Quando meu filho estava com 1 ano e 7 meses de idade engravidei mais uma vez, naturalmente. Estava muito tranquila achando que nada mais daria errado. Mas na primeira ultrassonografia nada de ver o saco gestacional. Uma semana depois e com uma dor chatinha do lado direito conseguimos visualizar o embrião com batimentos cardíacos presentes, na trompa direita, a tal da Gestação ectópica. Retirei a trompa e deixei a vida rolar. Sempre tive vontade de ter mais filhos mas não pensava em realizar outro tratamento.

E, então, quatro anos depois da gravidez ectópica mais um positivo! Nada de sangramento, beta bonitinho… e nada de aparecer embrião. Fui três semanas seguidas fazer ultrassonografia com meu médico, ele sempre me animando dizendo que a ovulação poderia  ser tardia (ter acontecido depois do que eu imaginava), mas eu sabia o dia exato, e sabia que algo estava errado de novo. E então, confirmamos que nossa quinta gestação era anembrionária, em que existe o saco gestacional mas não existe o embrião. E foi dessa vez que o desejo de ter o segundo filho ganhou força. Foi ali que pensei que podia ser um sinal para eu fazer novamente a minha parte e contar com a ajuda da medicina. E foi meu anjo, mais uma vez, que me incentivou a tentar com meus embriões congelados lá atrás… 6 anos atrás! E assim fizemos, transferimos três embriões (tinha 12 congelados, descongelamos 6 e sobreviveram esses 3). E o resto da história esta aqui… minhas pequenas princesas que chegaram com 37 semanas de uma gestação absolutamente perfeita, tranquila, sem intercorrência nenhuma, no auge dos meus 40 anos!

Costumo dizer que tudo tem um porquê, e na minha história tive muitos, mas hoje compreendo a importância de cada uma deles para conseguir estar realizada como estou.

Olha que linda história de superação. Pense que logo será você escrevendo o seu depoimento.

Beijos

Tati – @gravidezumsonho

Músicas para ouvir durante a gestação

A gravidez é um período de muita conexão entre a mamãe, o papai e o bebê, e a música pode desempenhar um papel bem importante para essa conexão. Alguns estudos demonstraram que  a musicaterapia durante a gestação ajudam acalmar a mamãe, podendo auxiliar inclusive na qualidade do sono da mamãe.

A parti das 21°  semanas de gestação o bebê já consegue ouvir sons externos, e por isso a música pode estimular ainda mais a relação entre a mamãe, o papai e o bebê.

Minha conexão com o Nicolas

Como estou de repouso, eu costumo realizar essa musicaterapia com o Nicolas logo ao acordar, aproveito a preguicinha matinal e coloco algumas músicas para aumentar a minha conexão com o meu filho.

Iniciei essa rotina no segundo trimestre da gestação, quando eu já estava mais calma e mais segura durante a gestação.

Não são todos os dias que consigo ouvir a playlist que selecionei, mas escuto normalmente de uma a duas vezes por semana.

Minha Playlist

Agora, vou mostrar para vocês a minha playlist:img_4586

Outras sugestões de música

Algumas outras sugestões de música para vocês:

 

Espero que tenha ajudado vocês 🙂

 

Tati – @Gravidezumsonho

Relatos de Sucesso: Alexandra

Hoje o relato é da Alexandra, que me emocionou muito com suas palavras, em várias situações eu lembrei da minha história.  Leiam o relato e emocionem-se:


Bom, sou Alexandra tenho 35 anos, casada há 10 anos, sempre sonhei em casar e ter filhos acho que como toda mulher.

Em 2008 sem que o marido soubesse eu já tentava uma gravidez, não uso contraceptivos orais pois tive Trombo embolismo pulmonar em 2002, e então consegui meu tão esperado positivo, mas com 6 semanas tive um aborto espontâneo e precisei fazer uma curetagem, uma dor na alma terrível.
Passei este ano e o ano de 2009 vendo apenas meu esposo como um reprodutor, realizava testes todo mês, queria um filho a qualquer custo, já que não aceitava a perda.
Como nada acontecia, fui estudar, ter uma profissão, quando então sosseguei um pouco com a ideia de ser mãe, mas dentro do meu coração sempre este desejo estava acordado.
Mas um das minhas professoras, profetizava em meu útero um filho em pleno metrô de São Paulo, ela dizia que não conseguia me ver não sendo mãe. Então, o que estava adormecido, acordou com toda a força. Conversei com meu esposo, pois, precisava que ambos tivessem o mesmo sonho, o mesmo querer, e começamos a saga em busca de uma benção, um filho.
Passaram os anos, e nestes anos a cobrança de amigos, familiares, julgamentos de “você não segura a gravidez?”, amigas, irmãs tendo filhos e eu com o sorriso forçado no rosto, pois, as minhas lágrimas só Deus e meu esposo contemplava.
Em 2014 fui chamada para participar de um reality na  TV Record de emagrecimento, como estava bem gordinha resolvi participar e se eu ganhasse usaria o dinheiro para uma fertilização. Porém, declarei em publico que meu maior sonho era ter um filho, foi a pior coisa que já fiz, pois quando acabou, as pessoas na rua me cobravam uma gravidez, um filho, como se fosse fácil, como se eu fosse obrigada a fazer e mostrar aquilo, foi a pior experiencia da minha vida.
Para piorar em 2015 outro positivo chegou, mas o ultrassom revelou uma gravidez anembrionária, segurei até novamente as 6 semanas, em Março, mas esta doeu mais, porque estava tentando muito, era muito desejada, senti toda dor de contração, outra curetagem, minha dor na alma era imensa, e ainda ouvia “E Aí quando vai ter neném? A sala de recuperação anestésica o som era de parabéns as novas mães e choro de neném nascendo, a música mais esperada da minha vida era de outra pessoa. Era tanta frustração que queria arrancar cada enfeite de porta(risada), mas desta vez eu sai dali e disse: “A próxima vez que eu voltar vou sair daqui com meu bebe”
Nestes 5 anos de tentativas, foram mais de 20 ciclos de indutores, idas e mais idas a clínica de fertilização, mas, nunca tive coragem de me submeter, pois, não aceitaria o Não, foram, lágrimas de dor, raiva, jogava a toalha, mas depois recomeçava tudo de novo.
No mesmo ano de 2015, em 08/12 data que comemorava 9 anos de casada, meu novo positivo chegou. Desta vez era de verdade, lá estava em cada ultrassom, meu milagrinho crescendo e se desenvolvendo com perfeição, claro que o medo também foi bem presente, mas eu sabia que desta vez eu seria mãe por completo.
Em 30/07/2016 nasce meu milagrinho Julia, seu chorinho dizendo mamãe está tudo bem, eu cheguei, foi a melhor música que já ouvi em toda minha vida, ela agarrou meu dedo quando à apresentaram para mim, foi como firmar nossa parceria, eu sorria todo tempo, sim eu coloquei também um enfeite na porta no meu quarto e sim eu sai de lá com meu bebê nos braços.
Em todo tempo desde a ultima perda eu profetizava para mim, Útero perfeito, gravidez perfeita, bebê perfeito, posso dizer que valeu a pena esperar, porque Deus me deu o melhor presente da minha vida, minha amiga, minha benção, minha Julia.

Espero que essa seja mais uma história para estimular todas as tentantes.

Beijos

Tati @gravidezumsonho

Myo-inositol: Pregnitude

Hoje decidi escrever um pouco sobre essa vitamina, que é minha queridinha, o Myo-inositol, o famoso Pregnitude. Essa vitamina é bem mais comercializada nos EUA e Europa que no Brasil, recentemente está sendo comercializada no Brasil como FertiSop.

O Inositol ou myo-inositol é uma mopregnitudelécula capaz de regular a insulina, o cálcio, a serotonina e o colesterol, sendo que estudos revelam que o uso de Myo-inositol trazem uma melhora em mulheres diagnosticadas com Síndrome de Ovário Policístico (SOP), auxiliando na ovulação e na regularidade do ciclo menstrual, possibilitando o aumento as taxas de gravidez.

Outra característica importante desse suplemento é o auxílio na formação de células saudáveis, inclusive melhorando a qualidade dos óvulos produzidos pela mulher. O Pregnitude é um suplemento vendido sem necessidade de receita médica, mas julgo ser importante conversar com seu médico sobre o uso desse suplemento.

A produção do pregnitude é formado por myo-inositol e o ácido fólico, o que torna um suplemento bem indicado para mulheres e que estão em busca da maternidade. Recomenda-se o uso do suplemento duas vezes ao dia. Cada embalagem vem com 60 envelopes e, portanto, dura 30 dias.

Atualmente, comercializado no Brasil como FertiSop, mas é possível mandar manipular esse suplemento, porém será necessário a receita médica para a manipulação.

Antes de engravidar do Nicolas, eu usei esse suplemento por uns 02/03 meses, sendo que nos primeiros meses eu tomei o myo-inositol manipulado, e usei apenas um mês do original Pregnitude ( comprei pela Amazon e minha cunhada trouxe para mim dos EUA). Assim que descobri que estava grávida eu parei de tomar.

Apenas para ressaltar experiências positivas com o uso desse suplemento, uma amiga que tinha sido diagnosticada com SOP (síndrome de ovário policístico) engravidou de forma natural após o uso desse suplemento, sendo que já estava há uns 05 anos tentando engravidar, e já tinha até realizado Fertilização in Vitro sem sucesso. Por isso, que eu acredito que eficácia desse suplemento. Se conhecer algum caso de sucesso, escreva nos comentários, porque isso pode ajudar a motivar / incentivar as que ainda estão na luta pelo tão sonhado positivo.

Espero ter ajudado.

 

Beijão

 

Tati

@Gravidezumsonho.